Tamara Cubas, Paulo Ribeiro e Sérgio Godinho na nova temporada do São Luiz

A "Trilogia Antropofágica", de Tamara Cubas, uma nova coreografia de Paulo Ribeiro, e o regresso de Sérgio Godinho vão marcar a nova temporada do Teatro Municipal São Luiz, em Lisboa, a partir de 15 de setembro.

Os artistas convidados foram avançados à agência Lusa por Aida Tavares, diretora artística desta entidade, que irá ter em palco criadores das áreas do teatro, música e dança para públicos diversos.

A "Trilogia Antropofágica", da coreógrafa uruguaia Tamara Cubas, vai apresentar-se no São Luiz em três atos: "Permanecer", a 15 e 16 de setembro, "Resistir", de 19 a 20 de setembro, e "Ocupar", a 23 e 24 de setembro.

Este trabalho, que atravessa a dança e a performance, pretende "perceber a força do mundo e o mundo como uma força", desafio lançado por Tamara Cubas, artista que se iniciou nas artes plásticas, passando depois para a dança, território onde "criou propostas mais arrojadas e inesperadas".

Outra proposta da programação destacada por Aida Tavares é a nova coreografia de Paulo Ribeiro, intitulada "Walking with Kylián. Never stop searching", com estreia marcada para fevereiro de 2018, na qual o artista português presta homenagem ao coreógrafo checo Jiri Kylián.

Também na dança, que este ano terá lugar de maior destaque na programação do São Luiz, decorrerá o Ciclo Tânia Carvalho, com uma luz para os 20 anos de trabalho da coreógrafa, que irá apresentar, entre outros trabalhos, "De mim não posso fugir, Paciência!" (2008), e "Ossos" (2012).

Sérgio Godinho, uma presença assídua no São Luiz, com espetáculos para crianças e adultos, vai regressar nesta temporada num concerto com a Orquestra Metropolitana de Lisboa.

Ainda na música, haverá concertos, entre outros artistas, de Joana Gama, João Braga, Maria Ana Bobone, Filipe Raposo, Filipe Melo, e ainda a estreia do espetáculo "Archipélagos", de Amélia Muge.

No teatro, praticamente todos os espetáculos serão estreias, segundo a diretora artística, que destacou nomes de encenadores como Joana Craveiro, Inês Barahona, Miguel Fragata, Mónica Garnel, Manuel Wiborg, Tiago Guedes, Sandra Faleiro e Marco Martins.

Vão estrear-se peças como "Amazónia", do coletivo Mala Voadora, "Os negros", de Rogério de Carvalho, e "A Arte da Fome", de Carla Bolito, entre outras, e ainda "Encyclopédie de la Pareola", de Joris Lacoste e Pierre-Yves Macé, e "Democracy in America", de Romeo Castellucci.

Outros eventos passarão pelos palcos do São Luiz, como a Gala Abraço, um espetáculo de inclusão e solidariedade realizado na data em que se assinala o Dia Mundial da Luta Contra a Sida, 01 de dezembro, e que este ano também assinala os 25 anos da associação.

Ainda na programação constam conversas de artistas, 'masterclasses' e lançamentos de livros no âmbito dos 30 anos da editora Livros Cotovia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.