'Software' desenvolvido no Porto auxilia médicos na cirurgia de reconstrução mamária

Uma equipa do Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores, Tecnologia e Ciência (INESC TEC) desenvolveu um 'software' que mapeia e mede automaticamente pequenos vasos sanguíneos, em regiões de difícil análise, auxiliando os médicos nas cirurgias de reconstrução mamária.

Este 'software', a primeira tecnologia desenvolvida no âmbito do projeto A-VA (Assisted Vascular Analysis), pode melhorar a qualidade da informação que o cirurgião tem à sua disposição antes de iniciar este tipo de cirurgia, que pode durar até 12 horas, explicou à Lusa Daniel Vasconcelos, membro do INESC TEC.

Segundo o promotor do projeto, o planeamento destas intervenções cirúrgicas envolve o estudo prévio da rede vascular da zona a intervir, realizado pela equipa de Radiologia, que analisa, de forma praticamente manual, centenas de imagens geradas durante o AngioTAC (Tomografia Computorizada particularmente dirigida à vascularização arterial).

Depois desse estudo, continuou, é emitido um relatório à equipa cirúrgica, que procura descrever a rede vascular através de texto e algumas imagens, um "processo moroso e suscetível ao erro".

A tecnologia desenvolvida pelo INESC TEC, única até à data capaz de medir e mapear automaticamente vasos sanguíneos de pequeno calibre, pode ser utilizada para contornar esses possíveis erros, através de relatórios especializados, que incorporam modelos 3D e as últimas recomendações vigentes na literatura científica, acrescentou.

De acordo com Daniel Vasconcelos, o método utilizado atualmente para medir e mapear os vasos sanguíneos é comparável a uma "viagem de carro num dia de intenso nevoeiro, tendo por base as indicações dadas por um amigo".

"O 'software' que desenvolvemos é semelhante à evolução que o GPS nos trouxe, fornecendo indicações precisas da trajetória dos vasos sanguíneos e indicando quais as opções viáveis que o cirurgião tem à sua disposição", indicou.

O projecto A-VA resultou de um pedido da Fundação Champalimaud, com a qual a equipa do INESC TEC tem vindo a colaborar no desenvolvimento desta tecnologia, que tem já um pedido de patente ativo junto do European Patente Office.

Embora neste momento o projeto esteja vocacionado para a cirurgia de reconstrução mamária, os responsáveis pretendem criar soluções para outras necessidades clínicas, que têm as redes vasculares no centro do problema.

O A-VA foi distinguido com o segundo lugar na edição na segunda edição de 2017 do Business Ignition Programme (BIP), um projeto financiado pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, e organizado pela U.Porto Inovação, pelo Centro Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental da Universidade do Porto (CIIMAR) e pelo INESC TEC.

Para Daniel Vasconcelos, a grande conquista ocorreu ao longo das 12 semanas do BIP, nas quais procuraram validar a solução "no mundo real", tendo sido "vital" o contacto com radiologistas, cirurgiões, técnicos, e empresas.

"Ganhámos uma outra visão do caminho a percorrer, o qual começará já no início de 2018, com a viagem internacional a centros de referência na análise de imagem médica, ganhada como prémio pelo segundo lugar conquistado no BIP", contou o promotor, que foi ainda premiado pelo júri com um MBA na Porto Business School.

No projeto participam igualmente os membros do INESC TEC Ricardo Araújo, Hélder Oliveira e Lucas Gurgel.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.