Só metade dos professores angolanos têm competência técnico-profissional - Governo

O nível de competência técnico-profissional dos professores primários angolanos ronda atualmente os 49%, com os alunos a apresentarem baixos níveis de aproveitamento e domínio de conteúdos, anunciou hoje a ministra da Educação.

O anúncio foi feito por Maria Cândida Teixeira, em Luanda, durante a abertura de uma conferência de imprensa de apresentação do projeto de Capacitação para Professores Primários (CAPPRI), projeto que, referiu, "vai melhorar o desempenho do professor".

"Em estudos recentes, a percentagem de aproveitamento académico dos alunos por província, município e escolas foi de 55%. O domínio de conteúdos por parte dos alunos foi de 50% enquanto a competência profissional dos professores foi de 49%", disse a ministra.

Para a governante o CAPPRI, projeto de nível nacional centrado nas áreas da Leitura e Escrita, Matemática, e Desporto, Arte e Cultura, vai munir os educadores de novas ferramentas, para melhor ministraram as aulas e capacitarem os alunos.

"Através da metodologia 'Ensinar a ensinar' e com o apoio de um guia pedagógico que complementa o programa do ensino primário, o CAPPRI introduz no dia-a-dia do professor, uma nova metodologia de ensino que facilita a aprendizagem dos alunos", adiantou.

Este projeto, observou, "visa melhorar o desempenho de cada professor primário, a qualidade e metodologia do seu trabalho na sala de aula", que, por sua vez, vai "estimular o aluno a desenvolver melhor as suas capacidades, habilidades e valores".

O projeto de Capacitação para Professores Primários, segundo Maria Cândida Teixeira, é "inclusivo e tem ainda como fundamento a importância das crianças com necessidades especiais, inserindo-as no Sistema Normal de Ensino".

De acordo com a governante a atenção do órgão que tutela está "focada no ensino básico da 1.ª à 6.ª classe", com ações nacionais, mas em fases de implementação distintas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.