Só metade dos professores angolanos têm competência técnico-profissional - Governo

O nível de competência técnico-profissional dos professores primários angolanos ronda atualmente os 49%, com os alunos a apresentarem baixos níveis de aproveitamento e domínio de conteúdos, anunciou hoje a ministra da Educação.

O anúncio foi feito por Maria Cândida Teixeira, em Luanda, durante a abertura de uma conferência de imprensa de apresentação do projeto de Capacitação para Professores Primários (CAPPRI), projeto que, referiu, "vai melhorar o desempenho do professor".

"Em estudos recentes, a percentagem de aproveitamento académico dos alunos por província, município e escolas foi de 55%. O domínio de conteúdos por parte dos alunos foi de 50% enquanto a competência profissional dos professores foi de 49%", disse a ministra.

Para a governante o CAPPRI, projeto de nível nacional centrado nas áreas da Leitura e Escrita, Matemática, e Desporto, Arte e Cultura, vai munir os educadores de novas ferramentas, para melhor ministraram as aulas e capacitarem os alunos.

"Através da metodologia 'Ensinar a ensinar' e com o apoio de um guia pedagógico que complementa o programa do ensino primário, o CAPPRI introduz no dia-a-dia do professor, uma nova metodologia de ensino que facilita a aprendizagem dos alunos", adiantou.

Este projeto, observou, "visa melhorar o desempenho de cada professor primário, a qualidade e metodologia do seu trabalho na sala de aula", que, por sua vez, vai "estimular o aluno a desenvolver melhor as suas capacidades, habilidades e valores".

O projeto de Capacitação para Professores Primários, segundo Maria Cândida Teixeira, é "inclusivo e tem ainda como fundamento a importância das crianças com necessidades especiais, inserindo-as no Sistema Normal de Ensino".

De acordo com a governante a atenção do órgão que tutela está "focada no ensino básico da 1.ª à 6.ª classe", com ações nacionais, mas em fases de implementação distintas.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.