SIPE disponível para luta conjunta com restantes sindicatos de professores

O Sindicato Independente de Professores e Educadores (SIPE) manifestou-se hoje disponível para discutir formas de luta conjuntas com os outros sindicatos, depois de ter saído da reunião no Ministério da Educação com uma proposta que classifica como "grande desilusão".

"Estamos completamente disponíveis. A união faz a força, estamos todos a lutar pelo mesmo", disse à Lusa Júlia Azevedo, presidente do SIPE, em resposta ao anúncio da Federação Nacional dos Professores (Fenprof), feito hoje, de que a maior estrutura sindical de docentes do país pretende convidar os restantes sindicatos para uma reunião, da qual podem vir a sair "formas de luta convergentes".

Em causa estão os resultados obtidos até agora nas reuniões negociais com a tutela, depois da assinatura de uma declaração de compromisso, a 18 de novembro, cujo conteúdo os sindicatos consideram que está a ser desrespeitado nas negociações subsequentes.

Sobre o reposicionamento na carreira dos professores que entraram para os quadros após 2011, quando as progressões já estavam congeladas, e que hoje começou a ser discutido com o Ministério da Educação, o SIPE classificou a proposta de portaria entregue pela tutela como "uma grande desilusão", da qual discordam "totalmente".

Segundo Júlia Azevedo, o projeto de diploma do Governo implica "inúmeras ultrapassagens" na carreira docente, o que considera "totalmente inaceitável", com professores com menos tempo de serviço a conseguirem chegar a escalões superiores antes de colegas mais antigos na profissão.

O SIPE pede que a contabilização do tempo de serviço dos professores seja feita de igual forma para todos, para garantir equidade, tendo como referência a atual estrutura da carreira docente, mesmo para os docentes que entraram na profissão antes de 2005, quando o tempo de progressão na carreira era mais curto.

Perante as propostas da tutela, o sindicato vai, já na próxima semana, convocar plenários de professores nas escolas, "para ouvir docentes e estabelecer formas de luta".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.