Simpósio "Fusões no Cinema" relaciona Sétima Arte com Educação em São João da Madeira

São João da Madeira acolhe sexta-feira e sábado o IV Simpósio Internacional Fusões no Cinema que, coorganizado pelo festival Caminhos do Cinema Português e pela Universidade Aberta, explora as relações entre a chamada Sétima Arte e a Educação.

Contando com mais de 15 oradores distribuídos por diferentes painéis, o evento irá decorrer na Torre da Oliva e pretende envolver docentes, investigadores, artistas e outros especialistas em Cinema e Educação numa análise às atuais práticas dessas áreas de atividade em Portugal, em Espanha e no Brasil.

O objetivo é debater "os novos papéis dos diferentes agentes envolvidos na dinâmica criativa e operativa da arte, da educação e da cultura", refere hoje fonte ligada à organização do simpósio.

Entre os oradores convidados para os dois dias de conferências, inclui-se Francisco García, da Universidade Complutense de Madrid, que irá avaliar como o cinema e a educação influenciam a transformação social.

Elsa Rodrigues, do Centro de Estudos Clássicos e Humanísticos da Universidade de Coimbra, abordará, por sua vez, as potencialidades pedagógicas do cinema de ficção científica, enquanto Tânia Leão, do Instituto de Sociologia da Universidade do Porto, irá analisar o contributo específico dos festivais de cinema.

Gerardo Ojeda Castañeda, do Instituto Latino Americano de Comunicação Educativa, vai refletir sobre narrativas e formatos digitais, numa perspetiva similar à de Sara Trindade, da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra.

Sobre o Plano Nacional de Cinema, em concreto, intervirão Elsa Mendes, da Direção-Geral da Educação, e ainda Elsa Cerqueira, do Agrupamento de Escolas de Amarante, e Cristina Janicas, da estrutura congénere de Montemor-o-Velho - esta última numa apresentação que relaciona a Sétima Arte com o ensino da Filosofia.

Maria do Céu Marques, do Departamento de Humanidades da Universidade Aberta, propõe, por sua vez, uma reflexão específica sobre o filme "Eduardo Mãos de Tesoura", complementada depois com a visão de Paulo Fernandes e José Alberto Rodrigues sobre o programa de literacia fílmica do festival de cinema animado Cinanima.

Raquel Pacheco, da Universidade Autónoma de Lisboa, apresentará casos de estudo no Brasil; Daniel Mill, da Universidade Federal de São Carlos, vai explorar o tema das metáforas em contexto cine-pedagógico; e Elsa Morgado, Levi Leonido e Mário Cardoso, com base nas suas experiências na Universidade Católica Portuguesa, na Universidade de Trás-os-Montes e no Instituto Politécnico de Bragança, abordarão a didática do cinema em contexto educativo.

A quarta edição do Simpósio Internacional Fusões no Cinema exibirá ainda curtas-metragens sobre os temas em análise e selecionadas para o efeito pelo Cineclube de Arouca e pelo CineEco - Festival Internacional de Cinema Ambiental da Serra da Estrela.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.