Semana da Leitura arranca na segunda-feira com iniciativa no metro de Lisboa

A Semana da Leitura arranca na segunda-feira com uma iniciativa no metro de Lisboa e termina em 09 de março, tendo como lema "Liberta o leitor que há em ti!", divulgou hoje o Ministério da Educação.

O ministério tutelado por Tiago Brandão Rodrigues adianta, num comunicado, que o Plano Nacional de Leitura 2027 celebra entre 05 e 09 de março a Semana da Leitura, cujo objetivo é "envolver, de forma dinâmica, a sociedade civil no prazer da leitura como ato comunicativo, em constante diálogo entre as artes, as humanidades e as ciências", com várias atividades de norte a sul do país.

"A Semana da Leitura inicia-se esta segunda-feira, 05 de março, com uma viagem no metropolitano de Lisboa, pelas 10:30, entre as estações do Senhor Roubado e Marquês de Pombal, com uma leitura encenada pelos atores do Teatro Umbigo", iniciativa que conta com a presença do secretário de Estado da Educação, João Costa.

O governante irá depois para a escola secundária Carvalho Figueiredo, em Loures, onde às 12:00 haverá um diálogo com a banda desenhada, através da autora Joana Mosi.

Na terça-feira, 06 de março, com o apoio do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço, decorrerá uma conversa com um investigador junto dos alunos do Agrupamento de Escolas da Sr.ª da Hora, Matosinhos, que aborda a importância da leitura na ciência. No dia 08, a mesma experiência será repetida no Observatório Astronómico de Lisboa.

Entretanto, em 07 de março, o Jardim Botânico da Ajuda, em Lisboa, aproveita a ocasião para comemorar os seus 250 anos de vida convidando os 'urban sketchers' a desenhar no espaço e a conversar com os visitantes sobre as histórias detrás das imagens.

No último dia, o ministro da Educação, Tiago Brandão Rodrigues, marca presença no Festival Literário de Nelas, distrito de Viseu.

"Paralelamente, em centenas de escolas e municípios de todo o país decorrem jornadas literárias e/ou atividades de promoção do livro e da leitura, indo ao encontro da missão desta Semana da Leitura 2018", conclui o ministério.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.