Secretária de Estado doTurismo indica desafio para responder a freguesias sobrecarregadas com alojamento local

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, notou hoje, no parlamento, o desafio de responder "com inteligência" a "problemas concretos de meia dúzia de freguesias" que estão sobrecarregadas, no âmbito do Alojamento Local (AL).

"Estamos no sítio certo para encontrarmos soluções, com bom senso, encontrar soluções para problemas que existem. O grande desafio é conseguirmos responder, com inteligência, a problemas concretos de meia dúzia de freguesias do país, que têm questões de sobrecarga e às quais temos de responder com mecanismos", disse.

Em resposta ao deputado social-democrata Cristovão Norte sobre o processo legislativo do AL, a governante afirmou estar "completamente disponível" para contribuir para o processo.

Aos deputados recordou que em 2015 havia 28 mil registos de AL e atualmente cerca de 60 mil, graças à imposição de registo obrigatório nas plataformas de reservas, e que "cerca de 10 mil imóveis foram recuperados fruto da figura do AL".

Depois do social-democrata ter referido as filas recentemente registadas no aeroporto de Faro na verificação de passaportes, a governante recordou os concursos para admissão de inspetores do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras e o trabalho conjunto para que não haja demasiada coincidência de voos em determinado momento.

Na comissão parlamentar de Economia, Inovação e Obras Públicas, a secretária de Estado sublinhou a necessidade de uma gestão de 'slots' (movimentos nos aeroportos) e de horários, referindo o trabalho que decorre entre a ANA, gestora de aeroportos, ministérios das Infraestruturas e da Administração Interna e a tutela do Turismo.

"(Um trabalho) para garantir que há gestão das infraestruturas e dos voos para não haver uma sobrecarga no mesmo momento" e evitar que o episódio do Algarve não se repita, quando "houve uma coincidência de dezenas de voos a chegar ao mesmo tempo", acrescentou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.