SATA/Privatização: PSD/Açores pede "celeridade e transparência" na decisão sobre venda

O PSD/Açores pediu hoje "celeridade e transparência" na decisão sobre a proposta da Icelandair para a compra da Azores Airlines, esperando os sociais-democratas "que os interesses da SATA, dos seus trabalhadores e da região sejam acautelados".

A proposta de aquisição de 49% do capital da Azores Airlines - ramo da SATA para operações para fora dos Açores - é uma "boa notícia, no contexto em que se encontra a empresa e o Governo Regional, particularmente o seu presidente, Vasco Cordeiro, pelas responsabilidades que tem na situação de falência técnica da empresa", sustenta o PSD/Açores.

Em nota atribuída ao porta-voz do partido na região para as questões económicas, António Vasco Viveiros, o PSD/Açores sublinha que o caderno de encargos para a alienação parcial da empresa "já limitava qualquer expetativa demasiado positiva, por via do reduzido esforço financeiro que impunha aos concorrentes, face às necessidades da empresa de capital fresco".

"O Governo está a avaliar a proposta da Icelandair e esperamos que essa proposta, a ser aceite, possa contribuir, pelo menos, para a inversão da tendência de destruição de valor da empresa que ocorreu na última década, sempre sob a liderança política de Vasco Cordeiro, primeiro como secretário regional da Economia e agora como presidente do Governo açoriano", prossegue o parlamentar social-democrata.

A transportadora islandesa Loftleiðir Icelandic apresentou uma proposta formal na semana passada para a aquisição de 49% do capital social da SATA Internacional - Azores Airlines, após ter sido pré-qualificada na primeira fase do processo.

Há cerca de um mês, em 26 de junho, a transportadora aérea Loftleiðir Icelandic tinha pedido mais 30 dias de prazo para preparar e apresentar uma proposta vinculativa para a compra de 49% da SATA Internacional - Azores Airlines.

Em declarações à agência Lusa, em 23 de abril, Erlendur Svavarsson, vice-presidente da Loftleiðir Icelandic, do grupo Islandair, tinha dito que a operadora ainda não tinha decidido se iria entrar na segunda fase do processo de alienação da transportadora aérea açoriana.

O grupo SATA anunciou em 17 de abril que a Loftleiðir Icelandic foi pré-qualificada para a segunda fase do processo de negociação da alienação de 49% do capital social da Azores Airlines.

Segundo o grupo, ficou pré-qualificado o único potencial comprador que apresentou manifestação de interesse na Azores Airlines.

De acordo com o caderno de encargos da alienação de capital da operadora açoriana, o futuro acionista da Azores Airlines terá que "respeitar obrigatoriamente" a manutenção do plano de renovação da frota iniciado com o A321 NEO.

O candidato terá ainda de promover o "cumprimento da operação aérea regular mínima", sendo que esta contempla as ligações entre o continente e os Açores, nomeadamente as rotas liberalizadas entre Ponta Delgada e Lisboa, Ponta Delgada e Porto, Terceira e Lisboa, e Terceira e Porto.

Este interessado tem ainda de assegurar as ligações de obrigação de serviço público entre Lisboa e Horta, Lisboa e Pico, Lisboa e Santa Maria, Ponta Delgada e Funchal, bem como a ligação de Ponta Delgada com Frankfurt, a par das rotas a partir da Terceira e Ponta Delgada com Boston e Oakland, nos Estados Unidos, e Toronto, no Canadá.

O comprador deve também manter a identidade empresarial, a autonomia da operadora, a denominação social e a marca Azores Airlines, entre outros elementos de identificação, a par de um contributo para a empregabilidade local.

O capital social do grupo SATA é detido por um único acionista, a Região Autónoma dos Açores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Francisco ​​​​​​​em Pequim?

1. A perseguição aos cristãos foi particularmente feroz durante a Revolução Cultural no tempo de Mao. Mas a situação está a mudar de modo rápido e surpreendente. Desde 1976, com a morte de Mao, as igrejas começaram a reabrir e há quem pense que a China poderá tornar-se mais rapidamente do que se julgava não só a primeira potência económica mundial mas também o país com maior número de cristãos. "Segundo os meus cálculos, a China está destinada a tornar-se muito rapidamente o maior país cristão do mundo", disse Fenggang Yang, professor na Universidade de Purdue (Indiana, Estados Unidos) e autor do livro Religion in China. Survival and Revival under Communist Rule (Religião na China. Sobrevivência e Renascimento sob o Regime Comunista). Isso "vai acontecer em menos de uma geração. Não há muitas pessoas preparadas para esta mudança assombrosa".