Sarampo volta ao Brasil, através de refugiados e imigrantes da Venezuela

A imigração em massa de venezuelanos para o Brasil trouxe o sarampo de volta ao país, preocupando as autoridades de saúde de Roraima, estado que faz fronteira com a Venezuela e onde já foram registados dezenas de casos.

"Nós tínhamos erradicado o sarampo no Brasil em 2015, mas, infelizmente, não existe uma barreira sanitária na fronteira. Como a cobertura vacinal dos venezuelanos é muito baixa eles estão entrando no Brasil e trouxeram a doença de volta", disse à Lusa o secretário de Saúde de Roraima, Marcelo Rodrigues Batista.

O secretário de Saúde explicou que o Brasil não exige um comprovativo de vacinação aos estrangeiros que atravessam as fronteiras e isso tem criado novos riscos epidemiológicos.

A diretora epidemiológica da Secretaria de Saúde de Boa Vista, capital do estado de Roraima onde foram notificados a maioria dos casos, explicou que a doença começou a ser verificada em fevereiro.

"O primeiro caso foi notificado no dia 11 de fevereiro de 2018. Uma criança, moradora de rua, imigrante da Venezuela, foi levada ao hospital com sinais e sintomas de sarampo. A a partir deste momento as medidas de bloqueio foram iniciadas", explicou Roberta Calandrini.

A responsável pelo controlo epidemiológico salientou que a aposta tem sido na vacinação das pessoas. Nesse sentido, a prefeitura está a imunizar, desde 10 de março, aqueles que ainda não haviam sido vacinados contra o sarampo, numa campanha que pretende atingir 248 mil pessoas.

"Colocamos um posto de vacinação na sede da polícia federal [que regista imigrantes e refugiados], continuamos fazendo ações nas praças e no entorno dos abrigos porque muitos saem de dentro do abrigo doentes para pedir ou fazer visitas e já temos casos [de sarampo] entre brasileiros", acrescentou.

Em meados de março, a Secretaria de Saúde de Roraima confirmou 40 casos de sarampo e existem 113 notificações que ainda estão a ser investigadas.

Os diagnósticos positivos foram notificados na cidade de Boa Vista (29 casos) e Pacaraima (11 casos), localidades que concentram o maior número de imigrantes e refugiados da Venezuela.

Duas crianças venezuelanas que estavam em Boa Vista já morreram por complicações causadas pela infecção.

O estado de Roraima afirma ter vacinado cerca de 35 mil pessoas, incluindo os imigrantes e refugiados, que estão no Brasil.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.