Rui Rio quer que sua arte e engenho sejam "a arte e engenho do partido"

O presidente do PSD, Rui Rio, deixou hoje o desafio para que "a arte e engenho do líder seja a arte e engenho do partido", acreditando que, de outra forma, os sociais-democratas não vão ganhar as legislativas, em 2019.

"O meu desafio: Que a arte e engenho do líder seja a arte e engenho do partido, se não não vamos ganhar", sublinhou hoje o presidente do PSD, Rui Rio, que falava aos jornalistas após uma visita à Praia das Rocas, na Castanheira de Pera, concelho do distrito de Leiria.

Segundo Rui Rio, o trajeto do PSD para as legislativas "é obviamente difícil", chamando a atenção para aquilo que aconteceu, quer em eleições autárquicas quer em legislativas, desde o 25 de Abril até agora: "Quem está no poder - é fácil de entender - tem uma facilidade que quem está na oposição não tem".

Face aos resultados eleitorais em democracia, Rui Rio acredita que precisa de ter "a arte e engenho de contrariar isso".

"E para ter a arte e engenho para contrair isso e conseguir ganhar as eleições, eu preciso de ter o PSD com a mesma arte e engenho", frisou.

Questionado inicialmente pelos jornalistas sobre as críticas de vários sociais-democratas às declarações que proferiu na sexta-feira, em que aconselhou os críticos internos a saírem do partido, Rui Rio não quis comentar essa questão, referindo que colocou um "ponto final parágrafo" na situação.

"Que nós temos possibilidades de - até nem gosto de exagerar e de dizer ganhar as eleições - mas de chegar a outubro do próximo ano e estar a discutir as eleições taco a taco, já estou farto de dizer. Já ando nisto há muitos anos, sei o que estou a dizer, têm de crer. Têm de vir comigo", salientou, já no final das declarações à imprensa.

Rui Rio visitou a Praia das Rocas, na Castanheira de Pera, no âmbito do primeiro Encontro de Verão das Mulheres Social Democratas.

Na sexta-feira, o presidente do PSD rejeitou falar sobre a eventual recondução da PGR antes de a questão ser colocada pelo primeiro-ministro e pelo Presidente da República, e aconselhou os críticos internos que discordam "estruturalmente" a saírem do partido.

No mesmo dia, vários sociais-democratas, incluindo o deputado Carlos Abreu Amorim e o ex-vice-presidente Carlos Carreiras, criticaram, na rede social Facebook, o líder do PSD, Rui Rio, por ter aconselhado as vozes discordantes a saírem do partido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.