REPORTAGEM: Famílias transformam casas em alojamento local para superar desemprego

Sem se conhecerem, Mafalda, Cristina e Marco partilham desilusões semelhantes sobre a falta de oportunidades de emprego, situação que os levou a rentabilizarem os imóveis de família, transformando-os em estabelecimentos de alojamento local em Lisboa e no Porto.

Agora, têm também em comum preocupações sobre as propostas em discussão para alterar a lei do setor.

Parte das memórias de 15 anos de vivência familiar mantêm-se intactas no apartamento, desde fotografias a objetos decorativos, mas o imóvel de Mafalda Nogueira tem hoje outro uso: foi transformado para receber turistas, bem no centro de Lisboa.

"Reconverti a minha casa de habitação em alojamento local", conta a proprietária, esboçando um rasgado sorriso de satisfação, já que esta foi a solução encontrada para evitar a venda do imóvel devido à situação de desemprego em que se encontrava.

Também desempregada e em risco de perder o dinheiro que tinha em depósitos bancários, Cristina Alves, com o apoio do marido, resolveu investir na compra de um imóvel em Lisboa, que "estava em muito más condições".

Feitas as obras de reabilitação, pôs o apartamento em alojamento local e ganhou assim uma atividade profissional que exige "disponibilidade a 100%".

Aproveitando um apartamento da família, que se encontrava inutilizado, na cidade do Porto, Marco Soares resolveu deixar o Reino Unido, onde esteve emigrado nos últimos quatro anos, para regressar à Invicta e apostar no setor do alojamento local.

"Com o turismo todo no Porto foi uma maneira de conseguir voltar e ter algum rendimento", confidencia o jovem portuense.

Satisfeitos com os recentes investimentos, Mafalda, Cristina e Marco estão preocupados com as propostas de vários grupos parlamentares para alterar a legislação do alojamento local, sobretudo com o projeto do BE para que os estabelecimentos só funcionem numa parte do ano, até 90 dias.

"A casa tem encargos de exploração e de manutenção, portanto 90 dias para explorar em alojamento local não me permite viver. Isso seria um caos na minha vida, porque deixo de ter fonte de rendimentos e é grave", afirma Mafalda Nogueira, indicando que, apesar de recente, o investimento "está a correr muito, muito bem".

Com um percurso profissional dedicado à gestão bancária, Mafalda ambiciona agora fazer outros investimentos no alojamento local, mas não consegue "enquanto as regras não estiverem definidas".

"Vou trabalhar 90 dias e o resto do ano que é que faço? E mesmo que continue com alojamento local os tais 90 dias, quem é que me vai querer alugar no dito aluguer normal os restos dos meses?", questiona Cristina Alves, considerando que estas medidas não só não resolvem o problema do arrendamento tradicional em Lisboa como vão "prejudicar todos aqueles que fazem disto uma profissão".

Mostrando-se bastante receosa em relação às possíveis alterações legislativas, Cristina rejeita a hipótese de colocar o imóvel em arrendamento tradicional, argumentando que assim voltaria a estar desempregada.

"O que está em discussão, pelo que estou a entender, é o seguinte: junho, julho e agosto, que são os meses altos na cidade do Porto, à partida vão ser para alojamento local e o resto do ano é para esquecer ou então para fazer o alojamento normal", afirma Marco Soares, considerando "inconcebível" que lhe queiram dizer o que fazer com o negócio.

Com taxas de ocupação entre os 50% e os 65% nesta altura do ano, que é época baixa, o portuense reforçou que a proposta dos 90 dias vai "limitar completamente o tipo de negócio" que faz.

Outra das propostas polémicas é a obrigatoriedade de a assembleia de condóminos autorizar o titular da exploração do estabelecimento a exercer a atividade numa fração do prédio, defendida tanto pelo PS como pelo PCP. Os proprietários manifestam-se contra.

Sobre o impacto do alojamento local no arrendamento tradicional, rejeitam responsabilidades, lembrando que há muitos imóveis devolutos que podiam ser reabilitados e que a subida dos preços tem a ver com dinâmica do mercado de arrendamento.

"Eu continuo a morar cá no Porto. Está mais caro? Está, sim senhora, mas não é devido a nós, é a própria inflação, é o próprio mercado que é assim", refere Marco Soares.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.