Regularização de precários põe em causa interesse da ciência - diretores IST

A "recente politização" do programa de regularização de precários no Estado vai "hipotecar o futuro do ensino superior", por pôr em causa o recrutamento de docentes e investigadores com base no mérito, defendem dez diretores do Instituto Superior Técnico.

Num comunicado conjunto hoje divulgado, dez responsáveis de departamentos de docência e investigação do Instituto Superior Técnico (IST) da Universidade de Lisboa criticaram a aplicação do programa ao ensino superior, defendendo que o PREVPAP, por se ter transformado numa bandeira política, corre o risco de prejudicar os interesses dos envolvidos e o sistema científico.

"Os presidentes dos Departamentos do IST defendem uma estratégia de consolidação da ligação de docentes e investigadores à instituição baseada no mérito científico e pedagógico, e na igualdade de oportunidades. A aplicação destes princípios fica posta em causa pela recente politização do processo, que não se nos afigura propícia à defesa dos interesses dos precários, e do ensino superior e investigação científica como um todo. Em face desta situação, que consideramos de grande gravidade, vimos manifestar o nosso desacordo com a utilização do PREVPAP como instrumento para regularizar situações de precariedade no ensino superior", conclui o documento conjunto.

No mesmo documento defendem que o PREVPAP não pode ser aplicado em formato de "modelo único" para toda a administração pública, ignorando as especificidades de alguns setores, como ensino superior e a ciência.

"A emergência de um dispositivo como o PREVPAP institui um modelo meramente administrativo de integração nas carreiras, pervertendo o princípio geral de que para todos os lugares e carreiras da função publica as admissões e progressões devem ser feitas por concurso que garanta a admissão e progressão com base na qualidade do desempenho. À semelhança do que sucede em todas as outras carreiras do setor público, a aplicação do PREVPAP às carreiras docente e de investigação é profundamente nociva para o desenvolvimento das instituições que desempenham essas atividades", lê-se no documento conjunto.

Para os dez diretores de departamento do IST, a aplicação do PREVPAP compromete a estratégia de contratação por mérito com base em concursos competitivos com avaliação por júri, que defendem para a instituição, fazendo eco de posições já assumidas publicamente pelo presidente do Técnico, Arlindo Oliveira, e pelo reitor da Universidade de Lisboa, António Cruz Serra.

"A integração de investigadores na carreira universitária em condições de vínculo permanente é iníqua para aqueles que presentemente trabalham para assegurar esse vínculo de acordo com as regras do Estatuto da Carreira Docente Universitária e do Estatuto da Carreira de Investigação Científica. É também iníqua para todos os que, não estando abrangidos pelas normas do PREVPAP, ambicionam integrar essas carreiras, uma vez que subverte o sistema competitivo de recrutamento das universidades. Como responsáveis por unidades orgânicas que integram dezenas ou centenas de professores e investigadores, vemos com apreensão a integração em carreiras por esta via administrativa e injusta, que poderá conduzir à estigmatização dos seus beneficiários", defendem os diretores do IST.

Os responsáveis defendem que o que está a ser imposto às universidades é a impossibilidade de recrutarem para os quadros os melhores professores e investigadores, o que vai "hipotecar o futuro do ensino superior".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Benefícios fiscais para quê e para quem

São mais de 500 os benefícios fiscais existentes em Portugal. Esta é uma das conclusões do relatório do Grupo de Trabalho para o Estudo dos Benefícios Fiscais (GTEBF), tornado público na semana passada. O número impressiona por uma razão óbvia: um benefício fiscal é uma excepção às regras gerais sobre o pagamento de impostos. Meio milhar de casos soa mais a regra do que a excepção. Mas este é apenas um dos alertas que emergem do documento.

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la no ensino superior

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.