Registos de alojamentos locais passaram de 28 mil em 2015 para atuais 59 mil - Governo

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, informou hoje que os registos de alojamento local são atualmente 59 mil, quando em dezembro de 2015 eram 28 mil.

Numa intervenção acerca do Programa Simplex +, na Bolsa de Turismo de Lisboa, a decorrer até domingo, a governante referiu a preocupação que houve em integrar os locais que "estavam fora do mercado formal", pelo que avançou a obrigação legal de as plataformas digitais terem o registo formal.

Assim, o número de registos evoluiu de 28 mil locais de alojamento local para 59 mil "neste momento", informou a secretária de Estado.

Ana Mendes Godinho recordou ainda que foi simplificada a transferência de uso de um edifício para hotel, assim como foi criado um mecanismo de informação prévia em solo rústico, com uma diminuição de prazos.

Foi ainda simplificado o processo da utilidade turística, já que "antes havia o pedido de 10 documentos que a administração pública já tinha acesso por outras vias". Com essa alteração houve um "aumento em 60% dos processos decididos", acrescentou.

Em termos de empresas de animação, o número "aumentou 160%" e mil empresas turísticas recorreram, nos últimos dois anos, a apoios do Turismo de Portugal, concluiu a secretária de Estado.

(CORRIGE O TÍTULO ANTERIOR: "Registos de alojamentos locais passaram de 28 mil em 2015 para atuais 29 mil - Governo", PORQUE O NÚMERO NÃO É 29 MIL, MAS SIM 59 MIL, COMO ESTÁ NO TEXTO)

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Falem do futuro

O euro, o Erasmus, a paz. De cada vez que alguém quer defender a importância da Europa, aparece esta trilogia. Poder atravessar a fronteira sem trocar de moeda, ter a oportunidade de passar seis meses a estudar no estrangeiro (há muito que já não é só na União Europeia) e - para os que ainda se lembram de que houve guerras - a memória de que vivemos o mais longo período sem conflitos no continente europeu. Normalmente dizem isto e esperam que seja suficiente para que a plateia reconheça a maravilha da construção europeia e, caso não esteja já convertida, se renda ao projeto europeu. Se estes argumentos não chegam, conforme o país, invocam os fundos europeus e as autoestradas, a expansão do mercado interno ou a democracia. E pronto, já está.