Registos de alojamentos locais passaram de 28 mil em 2015 para atuais 59 mil - Governo

A secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, informou hoje que os registos de alojamento local são atualmente 59 mil, quando em dezembro de 2015 eram 28 mil.

Numa intervenção acerca do Programa Simplex +, na Bolsa de Turismo de Lisboa, a decorrer até domingo, a governante referiu a preocupação que houve em integrar os locais que "estavam fora do mercado formal", pelo que avançou a obrigação legal de as plataformas digitais terem o registo formal.

Assim, o número de registos evoluiu de 28 mil locais de alojamento local para 59 mil "neste momento", informou a secretária de Estado.

Ana Mendes Godinho recordou ainda que foi simplificada a transferência de uso de um edifício para hotel, assim como foi criado um mecanismo de informação prévia em solo rústico, com uma diminuição de prazos.

Foi ainda simplificado o processo da utilidade turística, já que "antes havia o pedido de 10 documentos que a administração pública já tinha acesso por outras vias". Com essa alteração houve um "aumento em 60% dos processos decididos", acrescentou.

Em termos de empresas de animação, o número "aumentou 160%" e mil empresas turísticas recorreram, nos últimos dois anos, a apoios do Turismo de Portugal, concluiu a secretária de Estado.

(CORRIGE O TÍTULO ANTERIOR: "Registos de alojamentos locais passaram de 28 mil em 2015 para atuais 29 mil - Governo", PORQUE O NÚMERO NÃO É 29 MIL, MAS SIM 59 MIL, COMO ESTÁ NO TEXTO)

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.