Receita fiscal com alojamento local quase duplicou em cerca de dois anos - Governo

A secretária de Estado do Turismo revelou hoje que a receita fiscal obtida com o alojamento local quase duplicou em pouco mais de um ano, passando de 69 milhões em 2015 para 123 milhões de euros em 2017.

"Este aumento resultou de uma entrada na economia formal de um conjunto de unidades que não estavam registadas e, como tal, fora do mercado", disse à agência Lusa a secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, à margem da conferência "Um alerta para a fraude online na indústria do turismo", que decorre em Faro.

De acordo com a governante, as campanhas de integração destes alojamentos na economia formal "têm tido resultados muito positivos, nomeadamente "através de uma nova regra que obriga ao registo das plataformas de reservas online".

"É uma regra que obriga a que o número de registo esteja visível nas plataformas, originando de imediato uma entrada de unidades de alojamento, passando dos 28 mil registos em 2015 para mais de 50 mil atualmente", sublinhou a secretária de Estado do Turismo.

Segundo a governante, a obrigatoriedade do registo do alojamento local, resultou numa quase duplicação da receita fiscal, passando dos cerca de 69 milhões de euros em 2015 para os 123 milhões este ano, "o que faz com que estes alojamentos estejam a contribuir, como todos, para a economia formal."

Na opinião de Ana Mendes Godinho, a legalização dos alojamentos, que funcionavam "muitos deles, na clandestinidade", é também uma forma de promover ofertas regulares e combater a fraude com o aluguer de equipamentos na internet.

"O que neste momento Portugal está a dizer é que tudo aquilo que está registado é alojamento fidedigno. É um passo importante para a segurança, porque dá uma garantia dos alojamentos que existem e é uma forma de dizer que, também aí, somos um destino seguro", concluiu a governante.

Ana Mendes Godinho participou na conferência "Um alerta para a fraude online na indústria do turismo" promovida pela Safe Communities Portugal, uma associação que integra na sua maioria cidadãos britânicos e que tem como missão ajudar e informar sobre a forma de viver em Portugal.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.