Real Douro compra ex-colégio Almeida Garrett à Universidade do Porto

A Real Douro, Promoção e Gestão Imobiliária, SA, venceu o concurso público que a Universidade do Porto lançou no verão para alienação do ex-colégio Almeida Garrett, disse hoje à Lusa fonte da instituição de ensino superior.

Em resposta à Lusa, fonte da Universidade do Porto referiu que, entre as três propostas apresentadas, a da Real Douro, no valor de 6,1 milhões de euros, foi a que apresentou o preço mais alto, sendo a vencedora do concurso.

"A concretização da venda [do imóvel] está ainda em tramitação processual", ressalvou a fonte, adiantando que a escritura pública está prevista para janeiro.

De acordo com o anúncio que foi publicado em 29 de junho no Diário da República, a "alienação ou concessão do direito de superfície do prédio designado ex-colégio Almeida Garrett" tinha como preço base 4,768 milhões de euros.

A UP definiu como critérios de adjudicação "a proposta economicamente mais vantajosa" ou o preço mais elevado, em caso de venda.

Localizado na freguesia do centro histórico do Porto, o imóvel tem entrada pela praça Coronel Pacheco e está inserido num terreno com uma área total de 8.520 metros quadrados, suficiente para ali instalar oito campos de futebol.

Questionada na ocasião pela Lusa, fonte da UP adiantou que a área bruta de construção é de 2.880 metros quadrados, numa área de implantação de 1.170 metros quadrados.

A Real Douro - Promoção e Gestão Imobiliária, SA, tem sede no Marco de Canaveses e, de acordo com informação disponível na internet, tem como atividade a "compra e venda de prédios e todas as demais operações legalmente permitidas sobre imóveis, compra de imóveis para revenda, investimentos, promoções e gestão imobiliários, exploração de empreendimentos agrícolas e turísticos, turismo de habitação, agroturismo e turismo rural, hotelaria e similares e comércio em geral".

O edifício do antigo colégio Almeida Garrett foi "adquirido pelo Ministério da Educação e Investigação Científica para a Faculdade de Engenharia, mas "cedo se constatou que, apesar de a área afeta à Faculdade de Engenharia mais do que ter duplicado, a FEUP só adquiriria a indispensável estabilidade quando fossem projetadas as suas instalações definitivas", construídas no polo da Asprela, indicava a UP na internet.

A ACE/Teatro do Bolhão veio depois a ocupar aquele espaço até 2015, ano em que se mudou para o palácio Conde do Bolhão, que foi adquirido pela Câmara do Porto mas cedido, em regime de comodato, por um período de 50 anos à academia e que sofreu obras de remodelação durante cerca de nove anos, orçadas em 2,8 milhões de euros.

No dia 10 de julho, a coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, defendeu ser necessário que o Porto discutisse qual o destino a dar às instalações do antigo colégio Almeida Garrett, localizado na Baixa da cidade.

"Há instituições que vão ter de mudar de espaço - Academia Contemporânea de Espetáculos (ACE) e Teatro Universitário do Porto (TUP) -- e há um debate que a cidade do Porto vai ter de fazer sobre o que é que quer no seu centro, como é que o seu centro pode ser vivido e se pode ter gente dentro que não só turistas. É um debate muito importante que se abre neste momento, quando sabemos que este espaço vai ter necessariamente novos usos", sublinhou naquele dia.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.