Reabilitação psicoemocional para uma centena de pessoas com doenças do sangue

Mais de uma centena de pessoas com doenças malignas do sangue participam num projeto de reabilitação física e psicoemocional da Associação Portuguesa de Leucemias e Linfomas (APLL), que visa a reabilitação física e emocional, foi hoje anunciado.

"Os doentes vão às nossas aulas duas vezes por semana, com exercícios adaptados, e a maioria dos participantes sentem-se melhor à medida que vão frequentando as aulas", disse à agência Lusa Isabel Barbosa, presidente da associação.

O projeto 'Viver +' recebeu este ano um prémio monetário no âmbito de um programa internacional de responsabilidade social que visa reconhecer iniciativas centradas nas pessoas com doença oncológica.

Segundo Isabel Barbosa, a maioria dos doentes "achou que tinha beneficiado com a participação no projeto 'Viver +', criando "verdadeiros laços de amizade" entre pessoas que querem conviver e fazer a reabilitação física.

"O que se verifica é que os doentes oncológicos e com doenças de sangue sentem-se bastante isolados e este projeto proporciona-lhes momentos de convivência e partilha, que para eles é bastante importante", sublinhou.

No entanto, a presidente da APLL lamenta que a adesão dos doentes seja lenta, considerando que é necessário "um grande esforço para as convencer".

"A primeira barreira que temos a quebrar é convencer as pessoas a participar, porque há doentes que participam há três anos e não deixam de participar", frisou.

Isabel Barbosa destaca a participação dos profissionais e voluntários dedicados a proporcionar "boas experiências aos doentes, o que realça a importância do papel das associações de doentes".

"Temos a certeza de que estamos a marcar positivamente a vida destes doentes, especialmente tendo em conta os mais recentes dados do relatório do Lymphoma Coalition, que mostram que quanto mais os doentes estiverem ativamente envolvidos e informados, mais e melhores são os resultados na melhoria da sua qualidade de vida e autogestão da sua doença", refere.

A partir deste mês, novas atividades passaram a estar disponíveis para os doentes, nomeadamente a visita a uma horta biológica, na qual podem identificar os alimentos e temperos que mais os podem beneficiar.

Em outubro, terá início a iniciativa "Roda de Conversa" que vai permitir juntar doentes e profissionais de saúde de várias áreas, como a psicologia, farmácia e oncologia, em sessões nas quais vão poder falar sobre a sua doença e receber informação útil para a acompanharem, encarando-a positivamente.

Para além desta sessão, a associação está também a trabalhar para proporcionar a literacia na saúde destes doentes e "se poder falar sobre as várias particularidades das doenças oncológicas do sangue e outras áreas que impactem a saúde e qualidade de vida, como os direitos dos doentes oncológicos e impacto das doenças malignas do sangue".

No sábado, no Pavilhão Centro Portugal, em Coimbra, vai decorrer o encontro anual da APLL, no qual vai ser feito o balanço do projeto "Viver +" e apresentados vários testemunhos de pessoas com doenças oncológicas do sangue.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.