Quase dois terços de visitantes nacionais do Museu Soares dos Reis são da região Norte

Os públicos do Museu Nacional de Soares dos Reis, no Porto, repartem-se, de forma quase idêntica, entre nacionais e estrangeiros, sendo quase dois terços de visitantes portugueses provenientes da região Norte, segundo um estudo divulgado hoje.

De acordo com os principais resultados do estudo de públicos do museu, promovido pela Direção-Geral do Património Cultural numa parceria com o Centro de Investigação e Estudos de Sociologia do Instituto Universitário de Lisboa, 47% dos visitantes do museu são portugueses, dos quais 62% residem na região Norte.

Um quarto dos públicos portugueses do mais antigo museu público de arte do país é da Área Metropolitana de Lisboa, enquanto um em cada dez tem origem na região Centro.

Já os públicos estrangeiros estão representados em 40 nacionalidades, "entre as quais se destaca com clareza a França (dois em cada cinco inquiridos estrangeiros)".

Em comparação aos restantes museus abrangidos pelo estudo de públicos, o visitante do Museu Nacional de Soares dos Reis é relativamente mais novo, mais escolarizado e "com maior predominância nas profissões de especialistas das atividades intelectuais e científicas".

"Sete em cada dez inquiridos informou-se previamente à visita ao MNSR, uma prática com maior prevalência entre os públicos estrangeiros (79%) do que entre os nacionais", realçam os autores do estudo nos principais resultados.

As motivações mais indicadas pelos inquiridos foram o interesse pelo museu (88%) e ver ou rever a exposição permanente (69%).

"A intenção de regresso ao MNSR para nova visita nos 12 meses subsequentes, manifestada por 39% dos públicos, é muito influenciada pela proximidade geográfica (pela positiva) e pela nacionalidade (pela negativa): 62% dos nacionais contra 18% dos estrangeiros manifestou essa intenção. O principal motivo de regresso ao Museu é a existência de novas exposições (69%), ao qual se segue rever ou completar a visita efetuada (48%)", realçam os autores.

O estudo de públicos abrange 14 museus sob alçada da DGPC e "visou a produção de informação atualizada e fiável sobre os públicos, para o conjunto e para cada um dos museus tutelados pela DGPC, num leque alargado de dimensões, promovendo assim o seu conhecimento e, por essa via, uma melhor resposta aos desafios que a relação dos museus com os públicos vem colocando".

O estudo do Museu Nacional de Soares dos Reis reuniu 908 questionários válidos entre os dias 03 de dezembro de 2014 e 02 de dezembro de 2015.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Quem ameaça a União Europeia?

Em 2017, os gastos com a defesa nos países da União Europeia tiveram um aumento superior a 3% relativamente ao ano anterior. Mesmo em 2016, os gastos militares da UE totalizaram 200 mil milhões de euros (1,3% do PIB, ou o dobro do investimento em proteção ambiental). Em termos comparativos, e deixando de lado os EUA - que são de um outro planeta em matéria de defesa (o gasto dos EUA é superior à soma da despesa dos sete países que se lhe seguem) -, a despesa da UE em 2016 foi superior à da China (189 mil milhões de euros) e mais de três vezes a despesa da Rússia (60 mil milhões, valor, aliás, que em 2017 caiu 20%). O que significa então todo este alarido com a necessidade de aumentar o esforço na defesa europeia?