Público elege "Dr. Nest" como peça de honra do Festival de Almada

A peça "Dr. Nest", da companhia alemã Familie Floz, foi eleita quarta-feira pelo público o Espetáculo de Honra do 35.º Festival de Almada, regressando na edição de 2019.

Em segundo lugar ficou "A alegria", do italiano Pippo Delbono, e, em terceiro, "Bonecos de luz", da Companhia de Teatro de Almada (CTA), anfitriã do certame, que terminou quarta-feira à noite.

Votaram 437 pessoas do público que assistiu quarta-feira à noite à peça "Federico García", que fechou o certame, a decorrer desde o passado dia 04.

Quanto aos prémios de Jornalismo Carlos Porto, atribuídos pela Câmara Municipal de Almada, o primeiro lugar foi para Tommaso Chimenti, pelo conjunto de textos sobre o certame, o Prémio Carlos Porto de imprensa generalista foi para Inês Nadais, do Público, e o Prémio Carlos Porto para imprensa especializada foi para o espanhol Manuel Sesma.

Miguel Ribeiro, pela Câmara de Almada. Francisco Bélard, em representação do Clube de Jornalistas, Luís Pacheco Cunha, em representação do Sindicato dos Trabalhadores do Espetáculo, do Audiovisual e dos Músicos, João Torga, pelo Sindicato de Jornalistas e Tiago Torres da Silva, em representação da Sociedade Portuguesa de Autores, foram os elementos do júri.

Vinte e quatro produções -- nove portuguesas e 15 estrangeiras -, 11 concertos de entrada livre e quatro espetáculos de rua fizeram a programação da 35.ª edição do Festival de Almada, a decorrer desde o passado dia 04, em vários espaços da cidade, e em salas de teatro de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...