Público elege "Dr. Nest" como peça de honra do Festival de Almada

A peça "Dr. Nest", da companhia alemã Familie Floz, foi eleita quarta-feira pelo público o Espetáculo de Honra do 35.º Festival de Almada, regressando na edição de 2019.

Em segundo lugar ficou "A alegria", do italiano Pippo Delbono, e, em terceiro, "Bonecos de luz", da Companhia de Teatro de Almada (CTA), anfitriã do certame, que terminou quarta-feira à noite.

Votaram 437 pessoas do público que assistiu quarta-feira à noite à peça "Federico García", que fechou o certame, a decorrer desde o passado dia 04.

Quanto aos prémios de Jornalismo Carlos Porto, atribuídos pela Câmara Municipal de Almada, o primeiro lugar foi para Tommaso Chimenti, pelo conjunto de textos sobre o certame, o Prémio Carlos Porto de imprensa generalista foi para Inês Nadais, do Público, e o Prémio Carlos Porto para imprensa especializada foi para o espanhol Manuel Sesma.

Miguel Ribeiro, pela Câmara de Almada. Francisco Bélard, em representação do Clube de Jornalistas, Luís Pacheco Cunha, em representação do Sindicato dos Trabalhadores do Espetáculo, do Audiovisual e dos Músicos, João Torga, pelo Sindicato de Jornalistas e Tiago Torres da Silva, em representação da Sociedade Portuguesa de Autores, foram os elementos do júri.

Vinte e quatro produções -- nove portuguesas e 15 estrangeiras -, 11 concertos de entrada livre e quatro espetáculos de rua fizeram a programação da 35.ª edição do Festival de Almada, a decorrer desde o passado dia 04, em vários espaços da cidade, e em salas de teatro de Lisboa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.