PSD quer saber se vai haver dinheiro do OE para residências universitárias

O PSD desafiou hoje o Governo a esclarecer se haverá dinheiro do Orçamento do Estado para pagar melhorias ou construção de novas residências para estudantes universitários, apontando que as linhas de crédito existentes não satisfazem as universidades.

"As instituições estão insatisfeitas com a linha de financiamento, não querendo, compreensivelmente, aderir a uma linha de crédito quando tal não era o espírito da lei", indicam os deputados do grupo parlamentar do PSD que enviaram uma pergunta ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Para os sociais-democratas, é o executivo que deve "disponibilizar verbas para a melhoria e reconstrução de novas residências estudantis, assumindo esse investimento e não a título de empréstimo ou crédito às instituições".

Caso a resposta seja afirmativa, os deputados querem ainda saber para quando será.

"O problema mantém-se", dizem os deputados do PSD, que destacam "a falta de oferta pública de residências estudantis e o muito elevado preço dos quartos para estudantes no mercado de arrendamento privado, em particular em zonas nas quais os efeitos do incremento turístico mais se têm vindo a fazer sentir".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.