PSD quer saber se vai haver dinheiro do OE para residências universitárias

O PSD desafiou hoje o Governo a esclarecer se haverá dinheiro do Orçamento do Estado para pagar melhorias ou construção de novas residências para estudantes universitários, apontando que as linhas de crédito existentes não satisfazem as universidades.

"As instituições estão insatisfeitas com a linha de financiamento, não querendo, compreensivelmente, aderir a uma linha de crédito quando tal não era o espírito da lei", indicam os deputados do grupo parlamentar do PSD que enviaram uma pergunta ao ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor.

Para os sociais-democratas, é o executivo que deve "disponibilizar verbas para a melhoria e reconstrução de novas residências estudantis, assumindo esse investimento e não a título de empréstimo ou crédito às instituições".

Caso a resposta seja afirmativa, os deputados querem ainda saber para quando será.

"O problema mantém-se", dizem os deputados do PSD, que destacam "a falta de oferta pública de residências estudantis e o muito elevado preço dos quartos para estudantes no mercado de arrendamento privado, em particular em zonas nas quais os efeitos do incremento turístico mais se têm vindo a fazer sentir".

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.