PS vê pessoas como "trunfos eleitorais" e não destinatários de políticas - JSD

A presidente da Juventude Social-Democrata (JSD), Margarida Balseiro Lopes, acusou hoje o PS de "muitas das vezes" olhar para os cidadãos como "trunfos eleitorais e não destinatários" da ação política.

O PSD, advogou a dirigente numa sessão nos Açores, na ilha de Santa Maria, é o partido que tem uma "melhor visão da sociedade, do mundo, do país, da região", e, falando perante dezenas de jovens, asseverou que o cartão de militante não significa a entrega "do cérebro nem do sentido crítico".

"É por isso que choca tanto que muitas das vezes o PS olhe para as pessoas como ganhos ou trunfos eleitorais e não destinatários da ação política", sustentou Margarida Balseiro Lopes.

Para a líder dos jovens sociais-democratas, o PS nos Açores, com a sua governação, oferece a quem começa a carreira laboral "estágios e estágios, vendendo ilusões" e sem proporcionar "ferramentas" para que cada jovem "se possa afirmar a longo prazo" com os seus "projetos de vida".

Depois, e traçando um comparativo com o executivo da Madeira, do PSD, Balseiro Lopes sublinhou que no campo da Educação o executivo madeirense quis, "independentemente da vontade do Governo da República", resolver a questão do tempo de carreira dos professores.

"Aqui [nos Açores], o Governo do PS está à espera da autorização ou da vontade do Governo da República", também socialista, frisou a presidente da JSD.

A quinta edição da Universidade de Verão do PSD/Açores e da JSD/Açores iniciou-se esta manhã com a presença da líder dos jovens sociais-democratas, mas sem o presidente do partido, que chegou a integrar o programa.

Ao longo de quatro dias, estão reunidos na ilha de Santa Maria cerca de 30 jovens açorianos, em jornadas que vão "abordar as grandes questões dos Açores e do mundo, como inovação e tecnologia, turismo, União Europeia, poder local, participação na política, agricultura, coesão e comunicação".

Deputados locais, nacionais e ao Parlamento Europeu, autarcas e outras figuras da sociedade civil, casos de Gonçalo Lobo Xavier, membro do Comité Económico e Social Europeu, Ana Andrade, professora da Universidade Católica Portuguesa, ou Carlos Santos, presidente do Observatório do Turismo dos Açores, integram também os trabalhos a decorrer na Vila do Porto.

Entre a primeira edição da Universidade de Verão, em 2014, e contando com a edição deste ano, passaram pelo evento de formação política e cívica cerca de 160 jovens de todas as ilhas dos Açores.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.