Próximo Sínodo dos Bispos enfrenta desafio de entender os jovens

O próximo Sínodo dos Bispos, que reunirá no Vaticano 267 padres sinodais, 23 especialistas e 36 jovens, entre 03 e 28 de outubro, terá como desafio refletir sobre os jovens e as razões da sua distância da igreja.

O Vaticano apresentou hoje a próxima assembleia de Bispos, com o tema "Juventude, fé e discernimento vocacional", tendo o cardeal Lorenzo Baldisseri, secretário-geral do Sínodo, afirmado que esta questão "é um desafio, mas a Igreja não tem medo de enfrentar esses desafios que são sempre difíceis e cheios de obstáculos".

Um dos relatores gerais, o cardeal brasileiro Sérgio da Rocha, explicou que durante o Sínodo serão estudadas as razões que levam a afirmar que os jovens estão afastados da Igreja.

Os jovens, disse o cardeal, dizem-nos abertamente que "em muitos casos não se sentem próximos, especialmente nos momentos mais difíceis do seu crescimento humano".

O papa Francisco admitiu durante uma reunião com jovens na recente viagem aos países bálticos que estes sentem que a igreja nada tem a oferecer e que não entende os seus problemas.

"Eles (os jovens) estão indignados com os escândalos sexuais e económicos que não são claramente condenados, com a nossa falta de preparação em apreciar a vidas e as sensibilidades dos jovens, e com o papel passivo que lhes atribuímos", disse o papa aos jovens católicos, luteranos e ortodoxos na recente viagem aos bálticos.

Durante a conferência de imprensa para a apresentação do Sínodo, Baldisseri fez referência à presença de jovens na assembleia que lidará com seus problemas.

Baldisseri especificou que a novidade é que esses 36 jovens, vindos de todo o mundo, se sentarão para debater e poderão contribuir com as suas ideias, embora não possam votar uma vez que esta é apenas uma prerrogativa dos bispos.

Na XV Assembleia Geral ordinária do Sínodo dos Bispos, que se inicia na quarta-feira e termina a 28 de outubro, participam ainda dois bispos chineses.

A participação dos bispos chineses foi confirmada pelo cardeal Lorenzo Baldisseri, indicando que o convite foi endereçado pelo papa Francisco.

A presença de dois bispos chineses no Vaticano representa o desanuviar das tensões entre a China e a Santa Sé, depois da assinatura, em Pequim, de um acordo provisório para a nomeação de bispos, principal motivo do conflito entre os dois Estados.

Os laços diplomáticos entre a China e o Vaticano são inexistentes desde 1951, após a excomunhão por parte de Pio XII de dois bispos designados por Pequim, facto ao qual as autoridades chinesas responderam com a expulsão do núncio apostólico, que se estabeleceu na ilha de Taiwan.

A China, por sua vez, não reconhece o papa e tem a sua própria Igreja Católica Patriótica desde 1949, quando Mao Zedong estabeleceu a República Popular da China.

No entanto, as relações bilaterais entre a China e o Vaticano registaram uma certa reaproximação no início do pontificado de Francisco e as partes expressaram, em várias ocasiões, disponibilidade para melhorar os laços.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?