PróToiro acusa PAN de "ações provocatórias" de protesto contra touradas

A PróToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia acusou hoje o PAN de promover "ações provocatórias" de protesto contra as touradas e um elemento daquele partido político de invasão à praça de toiros de Albufeira, na semana passada.

"O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) promove ações provocatórias e de alteração à ordem pública. Hélder Silva, um dos três invasores da Praça de Toiros de Albufeira, foi candidato pelo PAN à Câmara Municipal da Moita nas autárquicas do ano passado", refere a PróToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia.

Em comunicado, esta entidade "reprova e considera inaceitável que um partido com assento parlamentar incentive ações provocatórias, com o objetivo de desencadear uma reação e apresentar-se como bastião da moral e dos bons costumes".

"O direito à manifestação não pode ser confundido com iniciativas orquestradas de ações criminosas de distúrbios públicos, que põem em causa a segurança e direitos dos cidadãos", acrescenta.

Repudiando e condenando "situações como as que se verificaram em Albufeira", que originaram violência entre aficionados da "festa brava" e ativistas pelos direitos dos animais, a PróToiro afirma a sua preocupação "com o aumento do número de ações de destabilização da ordem pública, levada a cabo por movimentos anti-taurinos e animalistas".

Por isso, a PróToiro "exige alterações à legislação que efetivamente desencorajem a estas ações", recordando que, "perante o histórico de distúrbios públicos provocados por estes movimentos nacionais e internacionais", vai pedir ao Ministério da Administração Interna uma reunião "de forma a alertar para estes problemas e salvaguardar a segurança pública e os direitos de todos os cidadãos, sejam eles pró ou anti taurinos".

"Nos últimos anos, são conhecidos os casos de vandalismo do património tauromáquico (praças e materiais publicitários), confrontos com aficionados (Viana do Castelo, 2012), confrontos entre manifestantes e PSP (Viana do Castelo, 2013) e Praia de Mira (2014), invasões de arenas no Campo Pequeno (2016 e 2017) e agora Albufeira, com as consequências lamentáveis que se conhecem", sublinha a federação.

Hoje, dirigentes do PAN questionaram o Ministério da Administração Interna sobre a eventual dualidade de critérios da GNR perante a violência entre aficionados da "festa brava" e ativistas pelos direitos dos animais, numa tourada, em Albufeira, na passada semana.

"Perante a violência extrema de alguns espetadores tauromáquicos a manifestantes já imobilizados pela GNR, as autoridades demonstraram sinais de passividade e dualidade de critérios não detendo no local estes agressores", afirma Francisco Guerreiro, porta voz do PAN, em comunicado.

Segundo foi noticiado, três manifestantes anti-tourada invadiram a arena em protesto contra a realização do evento no dia 09 de agosto e foram detidos, sendo posteriormente agredidos por outras pessoas que assistiam ou participavam na tourada, prolongando-se os desacatos já no exterior do recinto.

Ainda segundo várias notícias, a GNR abriu "um processo de averiguações" e o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Faro estará também a investigar o sucedido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.