PróToiro acusa PAN de "ações provocatórias" de protesto contra touradas

A PróToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia acusou hoje o PAN de promover "ações provocatórias" de protesto contra as touradas e um elemento daquele partido político de invasão à praça de toiros de Albufeira, na semana passada.

"O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) promove ações provocatórias e de alteração à ordem pública. Hélder Silva, um dos três invasores da Praça de Toiros de Albufeira, foi candidato pelo PAN à Câmara Municipal da Moita nas autárquicas do ano passado", refere a PróToiro - Federação Portuguesa de Tauromaquia.

Em comunicado, esta entidade "reprova e considera inaceitável que um partido com assento parlamentar incentive ações provocatórias, com o objetivo de desencadear uma reação e apresentar-se como bastião da moral e dos bons costumes".

"O direito à manifestação não pode ser confundido com iniciativas orquestradas de ações criminosas de distúrbios públicos, que põem em causa a segurança e direitos dos cidadãos", acrescenta.

Repudiando e condenando "situações como as que se verificaram em Albufeira", que originaram violência entre aficionados da "festa brava" e ativistas pelos direitos dos animais, a PróToiro afirma a sua preocupação "com o aumento do número de ações de destabilização da ordem pública, levada a cabo por movimentos anti-taurinos e animalistas".

Por isso, a PróToiro "exige alterações à legislação que efetivamente desencorajem a estas ações", recordando que, "perante o histórico de distúrbios públicos provocados por estes movimentos nacionais e internacionais", vai pedir ao Ministério da Administração Interna uma reunião "de forma a alertar para estes problemas e salvaguardar a segurança pública e os direitos de todos os cidadãos, sejam eles pró ou anti taurinos".

"Nos últimos anos, são conhecidos os casos de vandalismo do património tauromáquico (praças e materiais publicitários), confrontos com aficionados (Viana do Castelo, 2012), confrontos entre manifestantes e PSP (Viana do Castelo, 2013) e Praia de Mira (2014), invasões de arenas no Campo Pequeno (2016 e 2017) e agora Albufeira, com as consequências lamentáveis que se conhecem", sublinha a federação.

Hoje, dirigentes do PAN questionaram o Ministério da Administração Interna sobre a eventual dualidade de critérios da GNR perante a violência entre aficionados da "festa brava" e ativistas pelos direitos dos animais, numa tourada, em Albufeira, na passada semana.

"Perante a violência extrema de alguns espetadores tauromáquicos a manifestantes já imobilizados pela GNR, as autoridades demonstraram sinais de passividade e dualidade de critérios não detendo no local estes agressores", afirma Francisco Guerreiro, porta voz do PAN, em comunicado.

Segundo foi noticiado, três manifestantes anti-tourada invadiram a arena em protesto contra a realização do evento no dia 09 de agosto e foram detidos, sendo posteriormente agredidos por outras pessoas que assistiam ou participavam na tourada, prolongando-se os desacatos já no exterior do recinto.

Ainda segundo várias notícias, a GNR abriu "um processo de averiguações" e o Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Faro estará também a investigar o sucedido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.