Proposta de linha circular do metro de Lisboa é "aberrante" e vai contra estudos - especialista

A proposta de uma linha circular no metropolitano de Lisboa é considerada "aberrante", tendo sido chumbada pela própria empresa do ponto de vista construtivo e operacional, disse hoje o especialista Fernando Nunes da Silva.

"Esta proposta de uma linha circular é completamente aberrante a vários títulos. Londres, que foi uma das primeiras linhas circulares no mundo, acabou com a mesma há uma dezena de anos, por dificuldade de operação e de manter o serviço desejável com o resto da rede", explicou à agência Lusa Fernando Nunes da Silva, engenheiro e professor do Instituto Superior Técnico.

Para o especialista, é "esquisito" como agora o Governo anuncia um projeto para a rede de metropolitano da capital quando os outros países já deixarem de ter linhas circulares.

"Como é que nós vamos fazer quando os outros o deixaram? Na Europa, o que há são linhas circulares de grande raio que conectam linhas de periferia, com uma distância entre 'trams' muito grande, coisa que não acontece com a nossa", explicou.

Nunes da Silva, que já foi vereador da Mobilidade da Câmara de Lisboa, lembrou ainda que a proposta de uma linha circular "sempre foi chumbada dentro do metropolitano de Lisboa".

Defendeu que projetos "desta envergadura não devem ser decididos sem debate público" e sem, sobretudo, ser feita "uma avaliação de alternativas e fundamentados em estudos concretos", o que não aconteceu com a proposta feita pelo Governo, conforme sublinha.

Nunes da Silva foi um dos oradores de uma mesa redonda sobre o "Plano de Expansão da Rede do Metropolitano de Lisboa", organizada pela Ordem dos Engenheiros e realizada hoje à tarde em Lisboa.

O presidente do Conselho de Administração do Metropolitano de Lisboa (ML), Vitor Domingues dos Santos, defendeu, em março, que a solução de construção de uma linha de circular é a que melhor serve os interesses dos utilizadores daquele meio de transporte.

Segundo o novo plano, a Linha Amarela passará a ligar Odivelas a Telheiras (com desvio no Campo Grande) e as restantes atuais estações que fazem parte desta linha (Cidade Universitária-Rato) passarão a fazer parte da Verde, que irá assumir um trajeto circular.

Nunes da Silva alerta para o facto de a estação da Estrela, a par com a de Santos, previstas em funcionamento até 2022, ter de ser feita "a 50 metros de profundidade, uma das mais profundas da Europa", lembrando os problemas na Avenida 24 de julho aquando da extensão do metro a Santa Apolónia e ao Cais do Sodré, com as inundações ocorridas no túnel, que levaram a atrasos e a sobrecustos na obra.

"Vamos repetir as mesmas asneiras, não aprendemos nada com o passado", referiu, sublinhando que se trata de "má gestão de dinheiros públicos", quando o país acaba de sair de uma situação de crise.

Nunes da Silva refere ainda que a nova proposta mais não é do que "um desenho geométrico de traçado" que "deita pela borda fora 30 anos de estudos" realizados pelo próprio Metropolitano de Lisboa e outros organismos.

O engenheiro lembra que o primeiro grande estudo sobre a expansão do metropolitano foi feito em 1988 e que revelava como se devia desfazer o Y da Rotunda (agora estação do Marquês de Pombal) e qual a melhor forma de ligação ao Cais do Sodré.

"Era um estudo em que se previa mudar a rede inicial tendo em vista a sua futura expansão. Um estudo devidamente aprofundado, acompanhado de estudos urbanísticos, de dificuldade construtiva, de operação, de energia, de desgaste de matéria, compararam-se varias alternativas", explicou.

Houve depois um outro estudo em 2005, realizado pela Câmara de Lisboa, quando Pedro Santana Lopes era presidente, e no qual participou, chamado "Lisboa, o desafio da mobilidade", no qual como prioridades absolutas de expansão do metropolitano surgia o prolongamento ao Rato e São Sebastião, além do prolongamento ao Aeroporto, Telheiras e Pontinha.

"Já estava em estudo, inclusive, aproveitar a tuneladora que estava próxima de Campolide/Amoreiras e continuar o túnel até Campo de Ourique", recordou, afirmando que este estudo foi posteriormente aprovado pela autarquia e até o Governo deu o seu aval "às prioridades do mesmo".

Entretanto, de acordo com Nunes da Silva, em 2009, ano de eleições autárquicas e com o Partido Socialista com uma posição minoritária na área metropolitana de Lisboa, a secretária de Estado dos Transportes apresenta um estudo de expansão da rede do metro.

"Assiste-se a uma coisa completamente louca de expandir a rede até Loures e Infantado e, por outro lado, até ao hospital Amadora-Sintra, até Sacavém e Algés", disse Nunes da Silva, acrescentando que foi nesta altura que se apresentou pela primeira vez a rede circular "apenas em termos de traçado, sem qualquer tipo de estudo, a não ser a possibilidade do ponto de vista geométrico".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Legalização do lobbying

No dia 7 de junho foi aprovada, na Assembleia da República, a legalização do lobbying. Esta regulamentação possibilitará a participação dos cidadãos e das empresas nos processos de formação das decisões públicas, algo fundamental num Estado de direito democrático. Além dos efeitos práticos que terá o controlo desta atividade, a aprovação desta lei traz uma mensagem muito importante para a sociedade: a de que também a classe política está empenhada em aumentar a transparência e em restaurar a confiança dos cidadãos no poder político.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Erros de um sonhador

Não é um espetáculo bonito ver Vítor Constâncio contagiado pela amnésia que tem vitimado quase todos os responsáveis da banca portuguesa, chamados a prestar declarações no Parlamento. Contudo, parece-me injusto remeter aquele que foi governador do Banco de Portugal (BdP) nos anos críticos de 2000-2010 para o estatuto de cúmplice de Berardo e instrumento da maior teia de corrupção da história portuguesa, que a justiça tenta, arduamente, deslindar.

Premium

João Taborda da Gama

Por que não votam os açorianos?

Nesta semana, os portugueses, a ciência política em geral, e até o mundo no global, foram presenteados com duas ideias revolucionárias. A primeira, da lavra de Rui Rio, foi a de que o número de deputados do Parlamento fosse móvel tendo em conta os votos brancos e nulos. Mais brancos e nulos, menos deputados, uma versão estica-encolhe do método de Hondt. É a mesma ideia dos lugares vazios para brancos e nulos, que alguns populistas defendem para a abstenção. Mas são lugares vazios na mesma, medida em que, vingando a ideia, havia menos pessoas na sala, a não ser que se fizesse no hemiciclo o que se está a fazer com as cadeiras dos comboios da ponte, ou então que nestes anos com mais brancos e nulos, portanto menos deputados, se passasse a reunir na sala do Senado, que é mais pequenina, mais maneirinha. A ideia é absurda. Mas a esquerda não quis ficar para trás neste concurso de ideias eleitorais e, pela voz do presidente do Governo Regional dos Açores, Vasco Cordeiro, chega-nos a ideia de incentivar votos com dinheiro.