Projeto sobre reutilização de resíduos entre os vencedores dos Green Projet Awards

Um projeto sobre reutilização de resíduos e um laboratório que pretende desenvolver soluções para combater a pobreza habitacional venceram, entre outros, os prémios Green Project Awards (GPA) 2017, foi hoje anunciado.

Os prémios GPA, cuja cerimónia da 10.ª edição decorreu na Alfândega do Porto, têm como objetivo distinguir os projetos mais inovadores na área da sustentabilidade em Portugal. Os galardões são atribuídos por categoria, somando-se alguns prémios especiais.

Nesta edição, o prémio Jerónimo Martins/GPA - Investigação e Desenvolvimento Sustentável 2017 foi atribuído ao Instituto Superior de Engenharia de Lisboa, com o projeto ECO-Zement: Reutilização do resíduo de "cracking" catalítico em leito fluidizado da refinação de petróleo em materiais à base de cimento.

Já o vencedor do prémio Inovação Social Sociedade Ponto Verde/GPA foi o Ineditapanoplia Club com o projeto 'Critical Change', um laboratório que, conforme se lê em informação remetida à Lusa, desenvolve soluções acessíveis, eficientes e sustentáveis que permitem combater a pobreza habitacional.

As Menções Honrosas couberam à 1000Rostos, Associação Ação Social com o projeto Vintage for a Cause e à BIPP - Inclusão para a Deficiência com o projeto SEMEAR.

Os GPA 2017 também distinguiram hoje Pedro Cunha Serra, especialistas em recursos hídricos, bem como a ex-presidente do conselho de administração da Águas de Portugal, e Filipe Duarte Santos, especialista na área das Alterações Climáticas e presidente do Conselho Nacional do Ambiente, isto no âmbito do prémio Especial Carreira pela Sustentabilidade, que resulta de nomeação direta do Ministro do Ambiente e do presidente da Câmara do Porto.

Quanto às várias vertentes dos GPA, na área da agricultura saiu vencedor a ASFERTGLOBAL LDA, com o projeto Kiplant iNmass, enquanto na categoria "Cidades e Mobilidades Sustentáveis" saiu vencedora a Casas em Movimento com o projeto 'Smart Kiosk in Motion'.

Já a categoria "Gestão Eficiente de Recursos" premiou a PRIO Biocombustíveis, S.A. com o projeto PRIO TOP LEVEL - Waste to Biofuels e a dedicada à indústria premiou a BITCLIQ com o projeto BIG EYE - Smart Fishing.

O Ocean Alive com o "Mariscar Sem Lixo" foi o vencedor da categoria "Iniciativa de Mobilização" e a Sun Concept, Lda com o projeto Sun Concept - Solar Boat Builders foi a vencedora da categoria mar. Na área do turismo saiu premiada a Neya Lisboa Hotel.

Nota para a Escola Básica e Secundária Rodrigues de Freitas que, graças ao projeto Biocompostor, ganhou a categoria "Iniciativa Jovem", tendo o Agrupamento de Escolas Rio Novo do Príncipe - Cacia e a Escola EB 2,3 D. Afonso IV, Conde de Ourém merecido menções honrosas.

Paralelamente à cerimónia de entrega de prémios, decorreu a V Conferência GPA17 dedicada ao tema "Cidadania e o Futuro da Sustentabilidade" que contou com vários oradores internacionais, nomeadamente Yoko Ishikura, professora na Universidade Hitotsubashi que falou sobre "Sociedade 5.0 - O Cidadão do Futuro".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.