Projeto do Instituto Superior Técnico recebe quatro ME para fazer novos super-materiais

Um projeto europeu coordenado por uma cientista do Instituto Superior Técnico recebeu quatro milhões de euros para produzir materiais inovadores, entre os quais o grafeno, o mais forte que se conhece, divulgou hoje a instituição.

O projeto Pegasus, liderado por Elena Tatarova, do Instituto de Plasmas e Fusão do Técnico, consiste na utilização de plasmas, criados com manipulação à escala dos átomos, para fabricar materiais como o grafeno, com propriedades únicas de resistência e capacidade de armazenamento e conversão de energia.

No futuro, poderão vir a dominar o mercado das células de combustível, servindo para super-condensadores de alta potência.

Elena Tatarova afirmou que o objeto do projeto, os plasmas, "constitui tecnologia essencial, ecológica e altamente controlável para a criação de novos materiais mais eficientes e mais baratos".

O Pegasus, que começará em novembro e durará quatro anos, vai promover a colaboração entre especialistas de vários domínios científicos, estima o Instituto Superior Técnico.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.