Programa 6.Doc estreia no Cinema Ideal filmes destacados no DocLisboa 2017

O programa 6.doc, uma iniciativa do DocLisboa com o Cinema ideal, vai estrear naquela sala, entre janeiro e junho, sete filmes destacados na edição do ano passado do festival internacional de cinema documental, entre os quais três portugueses.

Na sala do Cinema Ideal serão apresentados alguns dos filmes destacados da última edição do Doclisboa, que vão estar em exibição comercial durante uma semana, com algumas sessões a contarem com a presença de realizadores ou convidados.

O programa abre no dia 25 de janeiro com "Faithful", realizado por Sandrine Bonnaire, e com "Why is Difficult to make Films in Kurdistan", da realizadora curda Ebrû Avci, curta-metragem vencedora do Prémio Especial do Júri da Competição Internacional do DocLisboa 2017.

"Faithfull" resulta de um longo trabalho de Bonnaire com a artista Marianne Faithfull, ao passo que em "Why is Difficult to make Films in Kurdistan", a jovem realizadora confronta-se com a sua tradição e a sua família, declarando a decisão de fazer cinema, e ao mesmo tempo tentando, através da câmara, afirmar os seus laços afetivos e identitários com o seu lugar de origem.

No dia 22 de fevereiro, chega a primeira estreia portuguesa, "Todas as Cartas de Rimbaud", do realizador Edmundo Cordeiro, que tem no centro Maria Filomena Molder e as cartas de Arthur Rimbaud, que copiou à mão para um caderno.

A 22 de março estreia-se "No Intenso Agora", filme brasileiro realizado por João Moreira Salles, e, a 19 de abril, outro filme de Portugal, "O Canto do Ossobó", de Silas Tiny, em que o realizador santomense regressa àquelas que foram as maiores roças de produção de cacau em São Tomé e Príncipe, durante o período colonial português, hoje degradadas, em busca de vestígios desse passado.

"Martírio", filme brasileiro de Vincent Carelli, premiado na edição de 2017 do DocLisboa, estreia-se a 24 de maio, e conta a saga dos índios Guarani-Kayowaa para retomar o seu território, mostrando as origens da disputa pelas terras entre os índios e o agronegócio no Mato Grosso do Sul.

A fechar o programa 6.Doc, o Cinema Ideal exibe, no dia 21 de junho, "Spell Reel", de Filipa César, uma coprodução entre Portugal, Alemanha, França e Guiné-Bissau.

O filme, que recebeu uma menção honrosa do júri da competição internacional, tem como matéria um arquivo de material audiovisual em Bissau, cujas imagens, à beira da ruína completa, testemunham o nascimento do cinema guineense enquanto parte da visão descolonizadora de Amílcar Cabral, o líder da libertação assassinado em 1973.

As sessões terão apresentação posterior no Porto (no Cinema Passos Manuel), enquadrados no programa "Há Filmes na Baixa!", em colaboração com o festival Porto/Post/Doc.

Ler mais

Exclusivos