Programa 6.Doc estreia no Cinema Ideal filmes destacados no DocLisboa 2017

O programa 6.doc, uma iniciativa do DocLisboa com o Cinema ideal, vai estrear naquela sala, entre janeiro e junho, sete filmes destacados na edição do ano passado do festival internacional de cinema documental, entre os quais três portugueses.

Na sala do Cinema Ideal serão apresentados alguns dos filmes destacados da última edição do Doclisboa, que vão estar em exibição comercial durante uma semana, com algumas sessões a contarem com a presença de realizadores ou convidados.

O programa abre no dia 25 de janeiro com "Faithful", realizado por Sandrine Bonnaire, e com "Why is Difficult to make Films in Kurdistan", da realizadora curda Ebrû Avci, curta-metragem vencedora do Prémio Especial do Júri da Competição Internacional do DocLisboa 2017.

"Faithfull" resulta de um longo trabalho de Bonnaire com a artista Marianne Faithfull, ao passo que em "Why is Difficult to make Films in Kurdistan", a jovem realizadora confronta-se com a sua tradição e a sua família, declarando a decisão de fazer cinema, e ao mesmo tempo tentando, através da câmara, afirmar os seus laços afetivos e identitários com o seu lugar de origem.

No dia 22 de fevereiro, chega a primeira estreia portuguesa, "Todas as Cartas de Rimbaud", do realizador Edmundo Cordeiro, que tem no centro Maria Filomena Molder e as cartas de Arthur Rimbaud, que copiou à mão para um caderno.

A 22 de março estreia-se "No Intenso Agora", filme brasileiro realizado por João Moreira Salles, e, a 19 de abril, outro filme de Portugal, "O Canto do Ossobó", de Silas Tiny, em que o realizador santomense regressa àquelas que foram as maiores roças de produção de cacau em São Tomé e Príncipe, durante o período colonial português, hoje degradadas, em busca de vestígios desse passado.

"Martírio", filme brasileiro de Vincent Carelli, premiado na edição de 2017 do DocLisboa, estreia-se a 24 de maio, e conta a saga dos índios Guarani-Kayowaa para retomar o seu território, mostrando as origens da disputa pelas terras entre os índios e o agronegócio no Mato Grosso do Sul.

A fechar o programa 6.Doc, o Cinema Ideal exibe, no dia 21 de junho, "Spell Reel", de Filipa César, uma coprodução entre Portugal, Alemanha, França e Guiné-Bissau.

O filme, que recebeu uma menção honrosa do júri da competição internacional, tem como matéria um arquivo de material audiovisual em Bissau, cujas imagens, à beira da ruína completa, testemunham o nascimento do cinema guineense enquanto parte da visão descolonizadora de Amílcar Cabral, o líder da libertação assassinado em 1973.

As sessões terão apresentação posterior no Porto (no Cinema Passos Manuel), enquadrados no programa "Há Filmes na Baixa!", em colaboração com o festival Porto/Post/Doc.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

Orçamento melhoral: não faz bem, mas também não faz mal

A menos de um ano das eleições, a principal prioridade política do Governo na elaboração do Orçamento do Estado do próximo ano parece ter sido não cometer erros. Esperar pelos da oposição. E, sobretudo, não irritar ninguém. As boas notícias foram quase todas libertadas nas semanas que antecederam a apresentação do documento. As más - que também as há - ou dizem pouco à esmagadora maioria da população, ou são direcionadas a nichos da sociedade que não decidem eleições.

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.