Profissionais do SNS estão desmotivados e vulneráveis aos privados - Correia de Campos

O antigo ministro da Saúde António Correia de Campos considera que o Serviço Nacional de Saúde (SNS) está repleto de profissionais desmotivados por baixas remunerações e que facilmente são atraídos para o privado.

Numa conferência sobre o financiamento na saúde que hoje decorreu em Lisboa, o antigo governante socialista defendeu ainda que o SNS deve "reunir capacidades" para substituir a gestão clínica privada nas parcerias público-privadas por gestão pública.

Para o ex-ministro da Saúde, uma reforma do SNS terá sempre de passar por dar melhores condições aos profissionais de saúde, recompensando-os com pagamentos ajustados ao seu desempenho.

"Qualquer reforma terá de honrar os [profissionais] que lá se mantiveram", declarou Correia de Campos na conferência do projeto 3F -- Financiamento, Fórmula para o Futuro, sublinhando que "abundam no SNS" profissionais treinados e qualificados, mas ao mesmo tempo "desmotivados pelas baixas remunerações", sendo fácil atrair estes recursos para o setor privado.

No entender de Correia de Campos, o SNS tornou-se num "enorme armazém de recursos" que está impossibilitado por "regras estreitas" de competir com o setor privado, que, por seu lado, é um setor "inteligente e flexível, organizado e que proporciona um acolhimento ameno e reconfortante".

Também o crónico subfinanciamento dos hospitais terá contribuído para desmoralizar os profissionais, deteriorando até a qualidade de gestão das unidades.

Fazendo uma resenha histórica da evolução do setor da saúde desde a década de 1970, o antigo ministro apontou para uma deterioração da atratividade do setor público, em contraste com um crescimento do privado.

Para Correia de Campos é possível fazer-se uma reforma do SNS de forma tranquila, "sem traumas" e não de modo radical.

O SNS deve continuar a garantir os valores da universalidade e a tendencial gratuitidade e a ter o Estado como principal prestador e como "exigente regulador", sem qualquer competição entre o público, o privado e o social.

Deveria ser o Estado a planear o investimento público e também as necessidades do investimento privado, que só deveria ser aceite quando baseado em "certificado de necessidades".

No âmbito de uma reforma, Correia de Campos defendeu ainda que o SNS deve "reunir capacidades" para substituir as a gestão clínica privada nas parcerias público-privadas por gestão pública.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.