Presidente timorense nomeia quatro últimos membros do Governo

O Presidente timorense nomeou hoje os últimos quatro membros do Governo, incluindo a ministra da Justiça, Ângela Carrascalão, e o ministro do Turismo, Manuel Vong, cuja tomada de posse não está ainda marcada.

O decreto presidencial, assinado hoje, nomeia ainda Sara Lobo Brites, como vice-ministra do Plano e Finanças, e Rui Meneses da Costa, como vice-ministro do Turismo.

Ângela Carrascalão, decana de Direito da Universidade Nacional Timor Lorosa'e, assume as rédeas de uma das pastas mais complexas em Timor-Leste, numa altura em que está em curso um amplo processo de reforma no setor.

Manuel Vong, atual reitor do Dili Institute of Technology [Instituto de Tecnologia de Díli] vai liderar a pasta do Turismo, sendo apoiado por Rui Meneses da Costa, do Partido Democrático (PD), força política que, com a Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), integra a coligação minoritária de Governo.

Sara Lobo Brites, uma das vice-coordenadoras do Banco Central, assume o cargo de "número dois" no Ministério das Finanças, liderado por Rui Gomes.

Fonte da Presidência timorense confirmou à Lusa que para já não está marcada a tomada de posse dos quatro membros do executivo que com estas nomeações terá um total de 37 elementos.

Os quatro últimos membros do Governo, agora nomeados por Francisco Guterres Lu-Olo, juntam-se aos 12, entre eles o primeiro-ministro timorense, Mari Alkatiri, que tomaram posse a 15 de setembro e aos 20 que tomaram posse a 03 de outubro.

Ainda por tomar posse, mas já nomeada vice-ministra dos Negócios Estrangeiros está a embaixadora de Timor-Leste em Singapura, Adaljiza Magno.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.