Presidente da República intervém em evento da organização jovem do Partido Popular Europeu

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, intervém na sexta-feira na escola de verão do YEPP, a organização jovem do Partido Popular Europeu (PPE), evento organizado pela Juventude Social-Democrata.

A iniciativa, subordinada ao tema "O Futuro da Economia: Tecnologia e Sociedade", decorre entre hoje e sábado em Cascais (Lisboa), e conta com a presença de várias personalidades do PSD, como Paulo Rangel, Pedro Duarte e Miguel Pinto Luz, e do CDS-PP, como Pedro Mota Soares e Adolfo Mesquita Nunes.

A intervenção do chefe de Estado está marcada para sexta-feira às 12:00 mas, de acordo com fonte de Belém, é fechada à comunicação social.

No comunicado enviado à imprensa, a JSD destaca precisamente a presença de Marcelo Rebelo de Sousa na iniciativa, que reunirá em Cascais "jovens de toda a Europa numa atividade de formação e debate de políticas europeias".

Além de Paulo Rangel, eurodeputado do PSD e vice-presidente do Partido Popular Europeu, marcará também presença Dara Murphy, diretor de campanha do PPE para as eleições europeias de 2019.

A líder da JSD, Margarida Balseiro Lopes, - que após ser eleita pediu uma audiência ao Presidente da República e defendeu a sua recandidatura -- fará uma intervenção na sessão de abertura da iniciativa, hoje à noite, tal como o vice-presidente do PSD Salvador Malheiro.

O antigo líder da JSD Pedro Duarte e o ex-líder da distrital de Lisboa e atual vice-presidente da Câmara de Cascais, Miguel Pinto Luz, serão oradores no evento na sexta-feira de manhã, enquanto o presidente da Assembleia Municipal de Cascais e candidato pelo CDS-PP ao Parlamento Europeu Pedro Mota Soares, o ex-secretário de Estado do Turismo Adolfo Mesquita Nunes e o líder da Juventude Popular, Francisco Rodrigues dos Santos, falarão aos jovens no sábado.

O YEPP é a maior organização política de juventude de centro-direita na Europa, englobando 58 juventudes partidárias de 39 países de toda a Europa.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.