Prémio Seiva Trupe distingue Jorge Pinheiro, Fátima Carneiro e Arnaldo Saraiva

O Prémio Seiva Trupe distinguiu na área das artes o pintor Jorge Pinheiro, na das Ciências, Fátima Carneiro, e nas Letras, Arnaldo Saraiva, divulgou hoje o grupo de Teatro Seiva Trupe.

"O Prémio Seiva, um dos mais representativos prémios da cidade do Porto e que tem por finalidade distinguir as individualidades que, através das suas obras ou das suas atividades mais tenham contribuído para o progresso, dignificação e prestígio das Artes, das Letras e das Ciências do Porto", lê-se no mesmo comunicado, que refere que esta é a 11.ª edição do galardão que é atribuído bienalmente.

O pintor Jorge Pinheiro, de 85 anos, terminou a licenciatura em Pintura na Escola de Belas Artes do Porto em 1963. Assim que terminou a licenciatura, passou a docente da mesma escola.Com o escultor José Rodrigues e os pintores Ângelo de Sousa e Armando Alves, fundou, em 1968, o grupo Os Quatro Vintes.

O Prémio Seiva vem juntar-se a outros como a medalha de prata "Cinquentenário da Morte de Amadeo de Sousa Cardoso" (1969), o "Certificat of the International Board for Young People" (1973), o Prémio da III Exposição de Gravura, da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa (1981)), o Prémio "Gouvernement Princier de Monaco" (1989) e o Prémio da Associação Internacional dos Críticos de Arte (2003).

O pintor está representado, entre outras, nas coleções dos museus Nacional de Arte Contemporânea, Calouste Gulbenkian, Serralves, Arte Moderna, em Sintra, Fundação Ilídio Pinho, Caixa Geral de Depósitos e Banco de Portugal.

A cientista Fátima Carneiro, do Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto (Ipatimup), recebeu, com Raquel Seruca, em 2002, Prémio Benjamin Castleman, atribuído pela Academia Internacional de Patologia.

Fátima Carneiro consta da lista dos 100 patologistas mais influentes do mundo, liderada pelo português Sobrinho Simões, distinguido também com um Seiva Trupe, numa edição anterior.

A cientista é professora de Anatomia Patológica da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, chefe do Departamento de Anatomia Patológica do Hospital de S. João, na mesma cidade, e investigadora no Ipatimup, e presidiu já à Sociedade Europeia de Patologia.

Poeta, ensaísta e cronista, Arnaldo Saraiva, de 78 anos, vai receber o Seiva Trupe de Letras. Licenciado em Filologia Românica pela faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, doutorou-se na Universidade do Porto, com a tese "Carlos Drummond de Andrade: do Berço ao Livro" e onde foi professor de Estudos Brasileiros e Africanos. Arnaldo Saraiva, autor de uma vasta obra, nomeadamente sobre Jorge de Sena, a geração literária Orpheu ou a literatura de folhetim, nos séculos XVIII e XIX, foi leitor de Língua e Literatura Portuguesa e Brasileira na Universidade da Califórnia e professor convidado da Universidade de Paris III (Sorbonne Nouvelle).

Em Paris fez estudos sob orientação de Roland Barthes, A.J. Greimas e Gérad Genette, tendo também estudado em Itália, nomeadamente em Urbino.

O investigador fez parte da direção da Cooperativa Árvore e do Boavista Futebol Clube, e colaborou com a RTP e a RDP-Antena 1, assim como em várias publicações portuguesas e estrangeiras. Fundou o Centro de Estudos Pessoanos, e codirigiu a revista Persona e o jornal O Boavista, do qual foi fundador.

O júri foi composto pelo pintor Armando Alves, as catedráticas Maria de Sousa e Maria João Reynaud e pelo ator António Reis, em representação da Seiva Trupe, e a decisão ratificada por uma comissão composta pelos jornalistas Adriano Miranda (Sindicato dos Jornalistas), Amílcar Correia (Jornal Público), Sérgio Almeida (Jornal de Notícias) e Tiago Dias (Agência Lusa).

Os Prémios são entregues na próxima terça-feira, na Casa das Artes, no Porto, antes da estreia da peça "O Sr. Ibrahim e as Flores do Alcorão", de Eric-Emmanuel Schmitt.

Ler mais

Exclusivos

Premium

violência

Como foi possível uma tragédia destas no Sri Lanka?

Destino turístico de eleição para muitos europeus nos últimos tempos, o Sri Lanka tem um longo historial de violência e de episódios de sectarismo religioso. Mesmo assim atentado de domingo surpreendeu tudo e todos. Governo desta ilha do Índico, que está demitido pelo presidente desde outubro de 2018, acusou o grupo National Thowheed Jamath, diz que terá havido apoio externo e que alertas foram ignorados