Portugal apoia Moçambique nas infraestruturas para principal feira económica moçambicana

Portugal vai apoiar Moçambique na construção de infraestruturas de base no espaço da Feira Agropecuária, Comercial e Industrial de Moçambique (FACIM), anunciou hoje o diretor-geral da Agência para a Promoção de Investimento e Exportações (Apiex).

"A ideia é modificarmos este espaço para deixarmos de ter infraestruturas nómadas, com tendas arrendadas, e entrarmos numa fase de infraestruturas fixas e ordenadas", disse à Lusa Lourenço Sambo.

Aquele responsável falava durante o dia de Portugal na FACIM, num evento em que foi assinado o protocolo que prevê que Portugal apoie Moçambique na construção de uma infraestrutura fixa em Maracuene, província de Maputo.

A área, que acolhe anualmente a feira, tem um total de 70 hectares e está situada a quase 30 quilómetros do centro de Maputo.

"Queremos trazer um espaço bem idealizado e devidamente organizado para começarmos a projetar o desenvolvimento, tomando a experiência de organização de parques portugueses", observou Lourenço Sambo.

Também o presidente da Associação Industrial Portuguesa (AIP), Jorge Rocha de Matos, entende que a ideia é positiva, considerando que, além da FACIM, a ideia é também criar infraestruturas de base em outros polos comerciais do país.

"O que pretendemos fazer aqui é um polo de desenvolvimento que possa criar para Moçambique mais riqueza e ter uma oferta de infraestruturas que seja mais adequada para os empresários", observou Jorge Rocha de Matos.

O projeto ainda não tem datas nem orçamentos, mas as partes querem que até a próxima edição da FACIM "as mudanças comecem a ser notadas".

Além do protocolo para edificação de infraestruturas de base na FACIM, as partes assinaram outro documento, cujo objetivo é garantir que a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP) partilhe, no geral, a sua experiência com a Apiex para o desenvolvimento e organização de parques comerciais ao longo do país.

A 54.ª edição da FACIM arrancou na segunda-feira e decorre até domingo, com o lema "Moçambique e o mundo: alargando o mercado, potenciando investimentos, promovendo parcerias".

O evento é organizado pela APIEX, que espera acolher este ano cerca de dois mil expositores e mais de 160 mil visitantes de 20 países.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.