Portugal a meio da tabela da UE na proporção de impostos ambientais - Eurostat

A proporção de impostos ambientais no total da receita de impostos e contribuições em Portugal foi de 7,5% em 2017, colocando o país a meio da tabela da União Europeia (15.º), mas acima da média comunitária (6,1%).

De acordo com os dados hoje divulgados pelo gabinete oficial de estatísticas da União Europeia (UE), as receitas com impostos com relevância ambiental -- que taxam produtos e serviços cuja base possa ter um impacto negativo no ambiente, como os impostos sobre os produtos petrolíferos e energéticos e o imposto sobre veículos -- ascenderam a 369 mil milhões de euros no conjunto da União em 2017, tendo rendido ao Estado português mais de 5 mil milhões de euros.

Tendo como referência o ano de 2002, o Eurostat aponta que as receitas com impostos ambientais subiram mais de 100 mil milhões de euros (de 264 mil milhões para 369 mil milhões), ainda que a proporção no total de receitas dos Estados tenha recuado de 6,8% para 6,1% ao longo desses 15 anos.

Em Portugal, também se registou uma diminuição da proporção de receitas com impostos ambientais nesse período -- recuou de 9,75% em 2002 para 7,52% em 2017 -- mas um aumento das receitas, de 4.264 milhões de euros para 5.041,16 milhões.

Entre os 28 Estados-membros da UE, as proporções variam entre os 11,2% na Letónia e os 4,4% no Luxemburgo.

Exclusivos

Premium

Entrevista a Victor Ângelo

"Há uma competição muito grande entre os EUA e a China e vai agravar-se"

Victor Ângelo foi o mais alto funcionário português nas Nações Unidas, chegando ao nível de secretário-geral adjunto. Representou a organização em vários países de África e preocupa-o o futuro de um continente em que os jovens querem emigrar. Analisa o risco da crescente competição entre as grandes potências.

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?