Portos nacionais movimentam recorde de 89,2 M de toneladas em 2017

Os portos comerciais do continente movimentaram em 2017 um recorde de 89,2 milhões de toneladas de mercadorias, mais 1,3% do que em 2016, destacando-se Lisboa com um aumento de 19,1%, foi hoje divulgado.

De acordo com os resultados do relatório "Tráfego Marítimo de Mercadorias no Contexto da Intermodalidade", elaborado pela Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT), a "melhor marca de sempre" atingida em 2017 resultou de variações positivas de 19,1% no porto de Lisboa, de 13,5% no de Aveiro, de 7,2% no de Leixões e de 5,3% no de Viana do Castelo.

Pelo contrário, registaram-se variações negativas de 0,4% na Figueira da Foz, de 3,3% em Sines, de 12,6% em Setúbal e de 46,3% em Faro.

Em 2017, o transporte marítimo representou uma quota de 8,1% do total do tráfego nacional e de 76,1% do tráfego internacional.

Globalmente, foram movimentadas no ano passado pelos diversos modos de transporte (marítimo, rodoviário, ferroviário e aéreo) cerca de 261,4 milhões de toneladas de mercadorias em termos de peso líquido, mais 4,3% do que em 2016, tendo o tráfego nacional sido responsável por 59,9% e o tráfego internacional por 40,1%.

Segundo o relatório, o aumento de 4,3% do tráfego total em 2017 resultou das subidas de 6,2% do tráfego nacional e de 1,7% do tráfego internacional, "sendo de destacar que a componente nacional teve ainda que ultrapassar o movimento extraordinário e circunstancial de 3,4 milhões de toneladas havida no ano anterior, motivado pela inoperacionalidade do Terminal Oceânico de Leixões, durante cerca de seis meses, para manutenção da monobóia em estaleiro".

O volume global de mercadorias transacionadas internacionalmente por Portugal (Continente e regiões autónomas) atingiu em 2017 as 102,6 milhões de toneladas (+5,6% face a 2016) correspondentes a 124,1 mil milhões de euros (+11,5%), a preços correntes.

A distribuição modal deste volume de mercadorias confere, em tonelagem, uma quota maioritária de 58,8% ao transporte marítimo e, em valor, uma quota dominante de 60,6% para o transporte rodoviário.

De acordo com a AMT, o tráfego de importação recorreu sobretudo ao transporte marítimo, que em 2017 representou 61,6% da tonelagem e 26,2% do valor, refletindo estes indicadores "a preferência dos carregadores por este modo de transporte para as mercadorias de grande volume e menor valor unitário", com destaque para o petróleo bruto, que representou 22,1% do total das importações e 35,8% das importações por via marítima.

As importações intermediadas pelos portos comerciais do Continente atingiram em 2017 "o valor mais elevado de sempre", destacando-se o contributo do porto de Sines, com uma quota de 56,1%, mais 0,5% do que em 2016 e com uma evolução média anual de 9,4% nos últimos cinco anos.

O transporte marítimo de mercadorias movimentadas no ano passado nos portos do Continente foi assegurado por operadores de cerca de 55 nacionalidades distintas, sendo que no tráfego internacional o maior volume foi afeto à Suíça, com uma quota de 24,4%, equivalente a cerca de 16 milhões de toneladas.

No tráfego nacional, Portugal manteve a primeira posição como país de registo preferencial dos operadores deste tráfego, com 69,7% (mais 3,4% face a 2016), seguindo-se a Holanda, em 2.º lugar (com 7,5%), a Alemanha, em terceiro (com 5,6%), e a Suíça, com 5,2%, em quarto lugar.

Já o Panamá foi o país de registo de navios com maior movimentação em termos de tráfego internacional, responsável por movimentar cerca de 12 milhões de toneladas, correspondente a uma quota de 15%, seguindo-se a Libéria e Malta, com 13,8% e 11,4%, respetivamente.

"Neste capítulo Portugal regista também um comportamento notável, pois cresce 58,5% para uma quota de 5,1%, a par da Grécia", lê-se no relatório.

No que se refere ao volume de contentores movimentados, atingiu em 2017 um total de 2,9 milhões de TEU, mais 9,3% face a 2016, mantendo a tendência de evolução a uma taxa média anual de crescimento de 6,9% nos últimos cinco anos.

Segundo o relatório "Tráfego Marítimo de Mercadorias no Contexto da Intermodalidade", o movimento de navios registou um total de 10.651 escalas e uma arqueação bruta (GT) de 206 milhões, respetivamente uma redução de 1,2% e um acréscimo de 0,7% face a 2016 e aumentos de 0,8% e de 5,8% nos últimos cinco anos.

Leixões destacou-se como o porto com o maior número de escalas, com uma quota de 24,4%, seguido de Lisboa, com 0,6 pontos percentuais, e de Sines, com 20,7%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.