Porto em projeto internacional para recuperar solos contaminados através de plantas

Investigadores do Porto estão a participar num projeto internacional para recuperar os solos contaminados através da aplicação controlada de plantas, microrganismos e fungos, trabalho que será apresentado hoje na Escola Superior de Biotecnologia (ESB) da Universidade Católica.

O projeto PhytoSUDOE, no qual participam Portugal, Espanha (país coordenador) e França, visa melhorar a biodiversidade do solo através do uso e implementação de plantas associadas a microrganismos, designadas por fitotecnologias.

Essas tecnologias, mais sustentáveis que outras utilizadas para o mesmo fim, preconizam um aumento microbiano e da biodiversidade de plantas do solo, ajudando a recuperar a sua funcionalidade, explicou à agência Lusa a investigadora Paula Castro, coordenadora do projeto na ESB.

Segundo indicou, os microrganismos, como bactérias e fungos, ajudam no estabelecimento e crescimento das plantas em locais que sofrem de diferentes tipos de degradação, desde a contaminação por metais provenientes de minas antigas até à contaminação industrial.

A aplicação desta técnica, continuou Paula Castro, gera um conjunto alargado de benefícios não só ambientais, mas também sociais e económicos, durante e após a sua implementação.

Este processo, afirmou, permite apresentar os solos contaminados como uma alternativa para a produção de biomassa com diferentes aplicações, como é o caso dos biocombustíveis.

Através deste projeto, que vai ser apresentado hoje durante o seminário "Fitotecnologias para Recuperação de Locais Contaminados", a equipa está igualmente a combater os problemas de erosão e de saúde pública, ajudando a evitar a propagação de contaminantes para as águas subterrâneas e para o ar.

Paula Castro explicou que este método, embora mais demorado, é economicamente mais vantajoso do que os restantes, esperando-se que o mesmo possa servir como alavanca para outras aplicações.

"Os solos suportam quase um quarto da biodiversidade do planeta, sendo o nosso recurso base para muita coisa, como a produção de alimentos e de biomassa, a disponibilização da água e a reciclagem de nutrientes. É essencial que os protejamos e que tentemos recuperar a sua funcionalidade", defendeu.

No entanto, reforçou, essa recuperação deve ser feita de "uma forma sustentável".

"Tem que haver um compromisso entre o que é preciso fazer a curto prazo e o que pode ser esperado a médio e longo prazo. As soluções naturais podem demorar mais tempo mas trazem outros benéficos", salientou a investigadora.

Nos objetivos do programa consta ainda com a divulgação desta prática junto dos reguladores e proprietários no território SUDOE (Portugal, Espanha e França), bem como noutras regiões europeias.

Em parceria com o Laboratório Nacional de Energia e Geologia (LNEG), a ESB tem estado nas Minas da Borralha, em Montalegre, a aplicar fitotecnologias para atenuar os efeitos nefastos da extração de volfrâmio.

Este projeto, que está a ser desenvolvido há dois anos, conta com os investigadores da ESB Sofia Pereira, Helena Moreira e Alberto Vega.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.