Polícia criminal angolana envia suspeitas sobre "esquadrões da morte" para Procuradoria

O Serviço de Investigação Criminal (SIC) angolano rejeita a existência de "esquadrões da morte", elementos da polícia que percorrem Luanda com uma lista de alegados criminosos a abater, mas vai encaminhar o caso à Procuradoria-Geral da República.

Em causa está a denúncia do jornalista angolano Rafael Marques que, através do portal de investigação "Maka Angola", tem divulgado alegados casos desta prática extrajudicial e que já terá provocado mais de 90 mortos, os últimos dos quais ainda este mês.

"Os esquadrões de morte, em Angola, nunca existiram. Portanto, nós também tivemos acesso a esta informação, dizer aqui que vamos solicitar junto da Procuradoria para que essas pessoas venham aos autos e deem a informação em concreto, de forma a facilitar todos esses processos que ainda estão pendentes", afirmou na segunda-feira o diretor provincial de Luanda do SIC, Amaro Neto.

Contactado hoje pela Lusa, o jornalista Rafael Marques, que vai divulgar o relatório completo sobre estes casos, garantiu que já tinha levado o assunto ao ministro do Interior, Ângelo da Veiga Tavares, a 29 de maio último.

"Disse-me que já tinha pedido à Procuradoria-Geral da República [PGR] para investigar com base nos relatório preliminar que lhe tinha encaminhado. O SIC estará a duplicar o pedido já feito pelo ministro? Não houve tal pedido por parte do ministro? Ou a PGR ignorou a diligência do ministro", questiona Rafael Marques.

Independentemente do "nome" que o SIC possa atribuir, o jornalista garante que é "apenas uma questão de semântica": "O relatório prova que os seus operativos estão a assassinar de forma sistemática. Que venha a investigação da PGR".

Através do portal "Maka Angola", o jornalista Rafael Marques tem revelado, individualmente, vários casos suspeitos nesta investigação, com testemunhos e identificação das vítimas, que o levam a garantir a existência destes alegados "esquadrões da morte".

A investigação, feita desde abril de 2016, avança que estes alegados agentes do SIC atuam sobretudo nos municípios de Viana e Cacuaco, os mais populosos e inseguros da província de Luanda. O relatório de Rafael Marques aponta para 50 casos suspeitos de execução sumária, num total de 92 jovens vítimas, alegadamente delinquentes, abatidos pelos agentes do SIC.

O último dos casos terá ocorrido a 06 de novembro, com três jovens mortos.

"A seu tempo, nós, SIC, em companhia com a Polícia Nacional, vamos esclarecer", garante o diretor provincial de Luanda da polícia de investigação, que funciona, ao contrário das restantes forças de segurança, na dependência direta do ministro do Interior.

"Para nós, toda a informação é bem-vinda. Mas estamos preocupados com as especulações que ultimamente vêm acontecendo, com uma certa tendência de acusar os órgãos de investigação criminal", disse ainda Amaro Neto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).