PM/EUA: Costa anuncia ligação direta da TAP entre Lisboa e São Francisco

São Francisco, Estados Unidos 13 jun (Lusa) - O primeiro-ministro anunciou hoje que Lisboa será a primeira cidade da Europa do Sul a ter uma ligação aérea direta com São Francisco, na costa oeste dos Estados Unidos, através da TAP, a partir de 2019.

António Costa deixou esta mensagem após uma reunião com responsáveis do Silicon Valley Bank - uma das mais prestigiadas instituições financeiras em capital de risco -, num discurso em que procurou salientar a existência em Portugal de um ecossistema favorável à abertura de negócios inovadores na área das tecnologias.

"Lisboa será a primeira cidade da Europa do Sul a ter uma ligação aérea direta com São Francisco", afirmou o primeiro-ministro.

Numa breve intervenção perante uma plateia de especialistas em negócios de 'startups', o líder do executivo português falou na existência de paralelismos entre Portugal e o estado da Califórnia.

"Estão ambos em costas oeste, uma do continente europeu, a outra na América do Norte; temos um bom clima; possuímos ambos uma 'Golden Gate' [Ponte 25 de Abril] e elétricos na cidade; somos conhecidos por dispor de bons lugares para a prática do surf; e temos bom tempo na maior parte do ano", começou por referir o primeiro-ministro.

A seguir, o primeiro-ministro apresentou vantagens algumas competitivas de Portugal para os investidores em projetos tecnológicos, pegando nos exemplos das multinacionais Google e Cisco.

"Temos um vibrante ecossistema de negócios e a prioridade do Governo é apoiar as 'startups'. Sei que algumas 'startups' têm nome inglês, mas têm uma grande base em Portugal", disse, numa nota de humor.

A seguir, o primeiro-ministro deixou uma mensagem de caráter político sobre o caráter consensual deste tema no país: "Esta é uma visão de futuro para Portugal".

"Venham, não só para nos visitar, mas também para investirem e trabalharem connosco", acrescentou.

A seguir, também o ministro da Economia, Manuel Caldeira Cabral, fez um discurso sobre "as vantagens competitivas de Portugal", falando então na existência de "boas infraestruturas" e de uma "reconhecida boa qualidade de vida".

"Somos um país que tem orgulho da sua abertura ao exterior, no comércio, na vida social ou na cultura", acentuou o titular da pasta da Economia.

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ O sentido das coisas

O apaziguamento da arena de conflitos em que perigosamente tem sido escrita a história das relações entre as potências no ano corrente implica uma difícil operação de entendimento entre os respetivos competidores. A questão é que a decisão da reunião das duas Coreias, e a pacificação entre a Coreia do Norte e os EUA, não pode deixar de exigir aos intervenientes o tema dos valores de referência que presidam aos encontros da decisão, porque a previsão, que cada um tem necessariamente de construir, será diferente no caso de a referência de valores comuns presidir a uma nova ordem procurada, ou se um efeito apenas de armistício, se conseguido, for orientado pela avaliação dos resultados contraditórios que cada um procura realizar no futuro.

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.