PJ guineense queima quase 28 quilo de cocaína de 500.000 comprimidos falsos

A Polícia Judiciária da Guiné-Bissau vai queimar hoje quase 28 quilogramas de cocaína e 500.000 comprimidos falsos apreendidos no âmbito de operações de combate ao tráfico de droga e de redes de contrabando de medicamentos.

"A apreensão destas drogas e medicamentos falsos consubstancia um duro golpe às organizações criminosas, sendo que as mesmas serão hoje objeto de incineração", disse, em conferência de imprensa, a diretora da Polícia Judiciária, Maria Filomena Lopes.

Maria Filomena Lopes retirou que "firme determinação" da Polícia Judiciária de combater sem "tréguas o tráfico" de drogas.

"A Guiné-Bissau conheceu melhorias significativas na luta contra o tráfico de drogas graças à tomada coletiva de consciência dos atores civis e governamentais das consequências nefastas e do terrível impacto sobre a imagem do país", salientou.

Segundo a diretora da Polícia Judiciária guineense, apesar das melhorias registadas os "riscos continuam a ser elevados" e é preciso reforçar os meios materiais e financeiros para um "luta eficaz" e otimização dos resultados.

Os quase 28 quilogramas de cocaína que vão ser incinerados foram apreendidos no âmbito de 19 operações no aeroporto internacional Osvaldo Vieira.

Os medicamentos falsos foram apreendidos em operações que decorreram em vários pontos do país, com destaque para o Tramadol, um analgésico que tem vindo a ser utilizado como droga, segundo a Polícia Judiciária guineense.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

E uma moção de censura à oposição?

Nos últimos três anos, o governo gozou de um privilégio raro em democracia: a ausência quase total de oposição. Primeiro foi Pedro Passos Coelho, que demorou a habituar-se à ideia de que já não era primeiro-ministro e decidiu comportar-se como se fosse um líder no exílio. Foram dois anos em que o principal partido da oposição gritou, esperneou e defendeu o indefensável, mesmo quando já tinha ficado sem discurso. E foi nas urnas que o país mostrou ao PSD quão errada estava a sua estratégia. Só aí é que o partido decidiu mudar de líder e de rumo.

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.