Piloto que fez acrobacias com helicóptero da Proteção Civil suspenso

O piloto que fez manobras acrobáticas em Santa Maria da Feira com um helicóptero da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) foi suspenso e alvo de inquérito disciplinar, indicou hoje a ANPC.

Na sequência do incidente ocorrido, no sábado, em Santa Maria da Feira, relacionado com o sobrevoo no campo de formação do Clube Desportivo Feirense por um helicóptero ligeiro do Estado, a ANPC pediu um esclarecimento à Heliportugal, empresa responsável pela operação e manutenção da aeronave.

No seguimento desse pedido, a Heliportugal informou a ANPC que o piloto foi suspenso de todas as operações de voo e já abandonou o Centro de Meios Aéreos onde desempenhava funções, tendo sido substituído por outro.

Segundo a Proteção Civil, a Heliportugal instaurou também um inquérito de natureza disciplinar ao piloto.

O Correio da Manhã noticia, na sua edição de hoje, que as manobras acrobáticas feitas por um helicóptero ligeiro da ANPC provocaram o pânico, no sábado, no complexo desportivo de Santa Maria da Feira, onde estavam cerca de 1000 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.