Petróleo: LPN indignada subscreve receios de Plataforma Algarve Livre de Petróleo

A Liga para a Proteção da Natureza (LPN) manifestou-se hoje indignada com a decisão de dispensar de Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur, e considerou-a "incongruente".

"Apesar de 100% das participações na consulta pública lançada pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA) apelarem e apresentarem argumentos para a realização da AIA, a APA tomou a incongruente decisão de não sujeitar a este procedimento" o projeto de prospeção, diz a LPN em comunicado.

No mesmo documento a LPN diz também que defende e subscreve a posição da Plataforma Algarve Livre de Petróleo, que diz que o Governo demonstrou ser "conivente com as petrolíferas", e, "colocando em risco os interesses da região e das populações", escolheu "defender o interesse privado em detrimento do público, numa demonstração clara de conluio".

A APA anunciou na quarta-feira que dispensou de estudo de impacto ambiental a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur pelo consórcio Eni/Galp, considerando que "não foram identificados impactos negativos significativos".

A LPN no entanto acusa a APA de ter ignorado a opinião dos que participaram na consulta pública e questiona a "transparência e legalidade de todo o processo", já que a APA, responsável por garantir a proteção ambiental dos cidadãos, levanta dúvidas sobre a necessidade da AIA e cria um processo de consulta pública que foi "uma farsa".

A Plataforma classifica como "vergonhosa e injustificada" a decisão da APA, entidade pública que acusa de falta de transparência, e exige conhecer os pareceres das nove entidades consultadas para o parecer que ditou a não realização da AIA.

A APA, diz a Plataforma também, ocultou "factos" como a zona do furo de prospeção se sobrepor à zona de distribuição de coral vermelho, um organismo raro e vulnerável, e manifesta-se surpresa por a APA concluir que não há impactos negativos antes de se avaliarem os mesmos.

"Toda a informação que argumentava a favor da realização de AIA foi consecutiva e persistentemente ignorada e descartada", acusa a Plataforma, que agrupa cerca de duas dezenas de organizações.

E refere que foi na fase de sondagem que ocorreram, entre outros, "os enormes derrames do Golfo do México na plataforma Deepwater Horizon, cujos efeitos devastadores subsistem há anos".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.