"Pessoas pelo Clima" pedem mais ambição de Bruxelas sobre metas das alterações climáticas

Os demandantes do caso "Pessoas pelo Clima" afirmaram hoje que a União Europeia tem de ser mais ambiciosa para reduzir emissões poluentes e travar as alterações climáticas.

O caso "Pessoas pelo Clima" foi interposto no Tribunal Geral da União Europeia por um grupo de 10 famílias de vários países, incluindo Portugal, contra instituições europeias que acusam de não estar a fazer tudo o que podem para travar as alterações climáticas.

O objetivo é conseguir que a UE se comprometa a reduzir as emissões de gases com efeito de estufa até 2030. Se assim não acontecer, entendem que não foram protegidos os seus direitos fundamentais, uma vez que já sofrem diariamente com os efeitos das emissões climáticas.

"Trata-se de um assunto urgente. Precisamos que o veja desta forma e preste atenção às nossas palavras. Muita coisa está em jogo. Estamos a escrever na qualidade de agricultores, pastores, silvicultores, proprietários de hotéis e restaurantes e estudantes. Somos provenientes de diferentes países da Europa: Suécia, Portugal, França, Itália, Alemanha e Roménia. E todos nós temos uma coisa em comum: as alterações climáticas estão a afetar a nossa vida quotidiana", afirmam os demandantes.

Quanto à ação judicial, salientam que foram para tribunal porque estão em causa "famílias, amigos, lares, tradições e o futuro" dos seus filhos.

Lembram as mais recentes recomendações do Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, que no domingo alertou que as consequências de não cumprir as metas do acordo de Paris serão um impacto ainda maior no clima global.

Os cientistas do painel também salientaram que "é possível e exequível" limitar a 1,5 graus centígrados o aumento da temperatura global.

"A UE deve agir agora de forma a proteger os nossos direitos fundamentais do agravamento dos impactos das alterações climáticas", pedem, salientando que não procuram compensação nem dinheiro e que só querem salvar as suas famílias e meios de subsistência.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.