Peso da economia chinesa no mundo vai continuar a aumentar até 2032 - OCDE

O peso da economia chinesa no mundo vai aumentar, até 2034, e começa depois a cair, enquanto a Índia vai aumentar a sua representatividade até pelo menos 2060, segundo um estudo da OCDE.

Dentro de 16 anos, a economia chinesa vai compor 27,1% do Produto Interno Bruto somado dos países membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e do G20, detalha o estudo.

Em 2005, correspondia a 12,5% e, atualmente, situa-se em 23,9%.

O mesmo estudo detalha que aquela percentagem vai começar a cair ligeiramente, a partir de 2034, e, em 2060, vai-se fixar em 26%.

A Índia, que representa atualmente 9,25% do PIB somado dos 48 países membros da OCDE e do G20, deve alcançar uma representatividade de 21,2%, em 2060.

Aqueles 48 países representam 82% da economia mundial.

A OCDE, que reúne os países desenvolvidos e da qual Portugal é membro, teve a sua quota reduzida de 72%, em 2000, para 53,9%, em 2018.

Em 2030, vai representar 47% e, em 2060, cairá para 42,6%.

Os autores do estudo estimam que o ritmo de crescimento anual da economia mundial passará dos atuais 3,5% para 2%, em 2060, refletindo a desaceleração nos países em desenvolvimento.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...