"Peregrinação" de João Botelho estreia-se hoje nas salas de cinema

O filme "Peregrinação", de João Botelho, uma adaptação do livro com o mesmo nome, de Fernão Mendes Pinto, chega hoje às salas portuguesas de cinema.

O filme "não é a 'Peregrinação' de Fernão Mendes Pinto", mas é uma parte, "como se fosse uma introdução à leitura" da obra, disse o realizador à Lusa, em abril, mês em que começaram as filmagens.

"Peregrinação", impresso pela primeira vez em 1614, é um relato da presença dos portugueses no Oriente e uma crónica de viagens de duas décadas de vivência de Fernão Mendes Pinto.

O realizador recordou que, regressado do Oriente, Fernão Mendes Pinto "tentou tudo para conseguir dinheiro na corte portuguesa, mas não conseguiu". "E, de repente, desata a escrever um livro alucinado e alucinante, uma viagem incrível que tem muita fantasia e muita exageração, mas também tem muita verdade", referiu.

As aventuras passam-se no Oriente e, apesar de grande parte das filmagens serem feitas em Portugal, no ecrã será como se tudo tivesse sido registado do outro lado do mundo.

João Botelho e uma equipa reduzida (produtor, diretor de fotografia e um assistente) estiveram no verão do ano passado "a filmar todos os fundos" em sete cidades chinesas, no Japão, na Malásia e no Vietname.

Além dos fundos, a equipa fez "quatro documentários sobre os locais do Fernão Mendes Pinto como estão hoje".

Em Portugal, João Botelho filmou na Quinta da Ribafria, em Sintra, em Vila do Conde, no Arsenal do Alfeite, em Almada, no cais palafítico da Carrasqueira, na Comporta, e noutros locais de Sintra.

O filme é protagonizado por Cláudio da Silva, que, além de Fernão Mendes Pinto, veste ainda a pele de António Faria, "um corsário terrível que decapita, viola, rouba, tudo em nome de deus".

"Aquilino Ribeiro [que escreveu uma adaptação de 'Peregrinação'] diz que [Fernão Mendes Pinto] inventou um heterónimo, o António Faria, que existiu mesmo. Mas [Fernão] pôs-se fora do livro e assiste à barbárie do António Faria", afirmou o realizador.

Além das personagens do livro, o realizador inventou uma outra, "uma espécie de Sancho Pança [personagem do livro 'Don Quixote de la Mancha', de Miguel de Cervantes], que é um intérprete, um malaio que sabe as línguas todas".

Do elenco fazem também parte, entre outros, Catarina Wallenstein, Pedro Inês, Maya Booth, Cassiano Carneiro, Rui Morisson, Jani Zhao e Zia Soares.

O filme inclui "Por este rio acima", "obra notável" do músico Fausto. "Os textos são todos do Fernão Mendes Pinto, que ele escreveu em poesia e musicou com música popular. [No filme] há um coro que distancia as coisas, que de vez em quando canta a desgraça e a alegria", contou.

Aos 68 anos, João Botelho considera ter "o dever de pegar em textos importantes na Cultura e na Literatura portuguesas".

Esse trabalho começou em 2001, com uma adaptação de "Frei Luís de Sousa", de Almeida Garrett, seguiu-se "A Corte do Norte" (2009), de Agustina Bessa-Luís, "Livro do Desassossego" (2010), de Fernando Pessoa, e "Os Maias" (2014), de Eça de Queirós.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.