Pelo menos 100 polícias e soldados mortos na batalha por Ghazni, Afeganistão

Pelo menos 100 polícias e soldados foram mortos nos combates contra talibãs que desde sexta-feira tentam tomar a cidade de Ghazni, no leste do Afeganistão, anunciou hoje o ministro da Defesa, general Tariq Shah Bahrami.

"Cerca de 100 membros das forças de segurança perderam a vida, assim como 20 a 30 civis", disse o ministro numa conferência de imprensa em Cabul.

Do lado rebelde, 194 combatentes, 12 dos quais comandantes, foram mortos, disse o ministro, precisando tratar-se de afegãos mas também paquistaneses, tchetchenos e árabes.

O ministro precisou que os números não são finais e podem aumentar, dado que prosseguia hoje a batalha por Ghazni, capital da província com o mesmo nome.

Os talibãs lançaram uma grande ofensiva contra Ghazni na sexta-feira e conseguiram tomar algumas zonas e destruir uma antena de telecomunicações, provocando a suspensão de todas as ligações móveis e fixas.

O ministro da Defesa disse que cerca de 1.000 militares foram enviados como reforço.

O balanço hoje avançado pelo ministro é o primeiro balanço oficial ao fim de quatro dias de combates.

Ghazni situa-se a cerca de 120 quilómetros da capital afegã, Cabul, e tem uma população de cerca de 270.000 habitantes.

A cidade é considerada estratégica e o seu controlo decisivo para assegurar a ligação rodoviária entre Cabul e as províncias do sul do país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Globalização e ética global

1. Muitas das graves convulsões sociais em curso têm na sua base a globalização, que arrasta consigo inevitavelmente questões gigantescas e desperta paixões que nem sempre permitem um debate sereno e racional. Hans Küng, o famoso teólogo dito heterodoxo, mas que Francisco recuperou, deu um contributo para esse debate, que assenta em quatro teses. Segundo ele, a globalização é inevitável, ambivalente (com ganhadores e perdedores), e não calculável (pode levar ao milagre económico ou ao descalabro), mas também - e isto é o mais importante - dirigível. Isto significa que a globalização económica exige uma globalização no domínio ético. Impõe-se um consenso ético mínimo quanto a valores, atitudes e critérios, um ethos mundial para uma sociedade e uma economia mundiais. É o próprio mercado global que exige um ethos global, também para salvaguardar as diferentes tradições culturais da lógica global e avassaladora de uma espécie de "metafísica do mercado" e de uma sociedade de mercado total.