PCP propõe 'Andante' único na Área Metropolitana do Porto e descontos de 50%

O PCP quer um 'Andante' único na Área Metropolitana do Porto (AMP) e descontos de 50% para jovens até aos 24 anos, estudantes, idosos com mais de 65 anos, reformados e deficientes, defendeu hoje o deputado Jorge Machado.

O projeto-lei comunista foi hoje apresentado no Porto pelo deputado Jorge Machado em nome dos "ganhos que a mobilidade e os transportes" irão conseguir ter.

Jorge Machado considerou "indispensável confirmar" o 'Andante' como título de acesso universal ao serviço público de transportes, num conjunto de medidas que prevê também compensações para os diversos operadores.

Propondo a revogação do decreto-lei 8/93, de 11 de janeiro, que esteve na origem dos "passes combinados", o PCP quer "retomar uma política de promoção e defesa da mobilidade e do transporte público como direito das populações", lê-se no projeto-lei.

No novo sistema, o 'Andante' passaria a abranger toda a AMP "por áreas geográficas a definir" em diálogo "com as empresas públicas e privadas, autarquias e movimentos de utentes" daquele serviço, acrescenta o documento.

O projeto-lei prevê ainda descontos de 50% para cidadãos com "idade até 24 anos sem rendimentos próprios", estudantes do "ensino superior e não superior", pessoas com "mais de 65 anos ou em situação de reforma por invalidez ou velhice", e para indivíduos "portadores de deficiência", sendo que em caso de haver acompanhante, "este terá um desconto de 25%".

No que diz respeito à receita para os operadores, o PCP propõe que seja "proporcional à repartição ponderada do número de passageiros" e ao número destes "transportados por quilómetro" pelos operadores, "tendo em conta o modo do transporte", deixando os comunistas para o Governo "definir a fórmula de cálculo".

"Depois de termos travado o processo de privatização do Serviço de Transportes Coletivos do Porto (STCP), e aquilo que conseguimos no investimento na rede do Metro, queremos agora que haja uma adequação do 'Andante' ao que são as necessidades do dia a dia das populações", justificou Jorge Machado.

Para o deputado, "não faz sentido que os utentes, para circular dentro da AMP, tenha de usar dois ou três passes".

O projeto-lei foi apresentado na sexta-feira na Assembleia da República, tendo o deputado mostrado estar otimista que o PS, "na linha das recentes aprovações das matérias apresentadas pelo PCP", possa também vir a "viabilizar este documento".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.