Paulo Sérgio diz que título de campeão da Indonésia é fruto de trabalho árduo

O futebolista Paulo Sérgio considerou hoje ter ficado com o "sentimento de dever cumprido" com a conquista do título de campeão da Indonésia, ao serviço do Bhayangkara FC e que foi "fruto de trabalho árduo".

"O Bhayangkara FC nem sequer era candidato, pois é um clube novo, com apenas dois anos, que apontava ao quinto ou sexto lugares da Liga da Indonésia e que nem sequer se inscreveu nas competições asiáticas de clubes", disse à agência Lusa Paulo Sérgio.

A uma jornada do termo do campeonato o Bhayangkara FC, que herdou o histórico desportivo do Persebaya Surabaya, fundado em 2010, após o que sofreu várias alterações ao nome, fez a festa com o triunfo por 3-0 frente ao Madura United.

"O título foi algo inesperado, mas foi o culminar de uma época extraordinária e só tenho pena que o clube não se tenha inscrito para poder competir nas competições asiáticas", admitiu Paulo Sérgio, formado nas camadas jovens do Sporting.

O extremo, de 33 anos, marcou nove golos nos 28 jogos que disputou até agora pelo Bhayangkara FC e já foi abordado pelo clube para continuar, embora tenha também entre mãos propostas de outros emblemas locais e das ligas da Ásia.

Este é o segundo sucesso de Paulo Sérgio na Ásia, onde chegou em 2014/15, já que chega ao título de campeão na Indonésia, pelo Bhayangkara FC, depois de ter alcançado feito idêntico em Singapura, ao serviço do DPMM FC, um clube do Brunei.

Paulo Sérgio coloca a possibilidade de regressar a Portugal, "se aparecer uma proposta interessante", mas admite que é feliz na Indonésia, juntamente com a sua família, apesar de todas as diferenças culturais, sociais e religiosas.

"É tudo muito diferente. A cultura [indonésia} é algo complicada do ponto de vista dos europeus. Temos que fazer um esforço para entender. Como costumo dizer, nem tudo na vida é um mar de rosas. Mas são muito respeitadores", adiantou.

O futebolista afirma estar completamente adaptado à Indonésia, apesar das enormes diferenças ao nível da alimentação e clima, por exemplo, tal como a família, incluindo as duas filhas, que frequentam a escola internacional.

"Continuarei cá [Indonésia] com todo o gosto e carinho, até porque eles aqui são apaixonados pelo futebol e, apesar do meu clube não ter muitos adeptos, porque é relativamente recente, arrastam multidões aos estádios", explicou.

Paulo Sérgio foi promovido à equipa B do Sporting em 2002/03, após o que representou, por empréstimo dos 'leões', Académica (2003/04), Belenenses (2004/06), Estrela da Amadora e Desportivo das Aves (2006/07.

Já sem vínculo ao Sporting, o extremo representou o Portimonense (2007/08), Salamanca, de Espanha (2008/09), Olhanense (2010/11), Vitória de Guimarães (2011/12), AEL Limassol, do Chipre (2012/13), Arouca e Olhanense (2013/14), após o que ingressou no DPMM FC (2014/16).

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.