Parques de Sintra repavimenta estrada na serra e gere espaços na vila

A sociedade Parques de Sintra-Monte da Lua vai pavimentar a estrada florestal entre os Capuchos e a Azóia e passar a gerir o Parque de Merendas e os jardins da Quinta Mont Fleuri, na vila, aprovou o município.

O executivo municipal aprovou hoje aceitar uma proposta da Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML) para a "doação da repavimentação da estrada florestal compreendida entre o cruzamento dos Capuchos e a estrada da Azóia", numa extensão de vários quilómetros.

Na minuta do protocolo de colaboração a subscrever entre o município e a PSML, a que a agência Lusa teve acesso, considera-se que a repavimentação da via, "inserta no domínio municipal e em pleno perímetro florestal da serra de Sintra, reveste-se de indubitável e relevante interesse".

O asfaltamento da via de acesso ao Convento dos Capuchos, Peninha e Azóia, que assegura a circulação de veículos e a vigilância da serra, visa melhorar a acessibilidade e as condições de segurança em plena área classificada Património Mundial pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura).

A sociedade de capitais públicos, criada em 2000 para gerir os monumentos e parques históricos na Paisagem Cultural, suportará os encargos com a repavimentação, num prazo até ao fim de maio de 2018.

O protocolo estabelece que a câmara terá de obter junto do Instituto de Conservação da Natureza e Florestas (ICNF) e do Parque Natural de Sintra-Cascais (PNSC) os pareceres para a obra, isentará a sociedade "de todas as taxas" e disponibilizará a Polícia Municipal para regular o trânsito durante os trabalhos.

A Assembleia Municipal de Sintra aprovou, em 18 de dezembro, uma proposta do presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), para a cedência do Parque das Merendas e dos jardins da Quinta Mont Fleuri à PSML.

A sociedade, por seu lado, doou ao município o projeto de requalificação dos parques da Liberdade e dos Castanheiros, no centro histórico.

O Parque das Merendas e a sua mata, junto à estrada da Pena, fazia parte de uma propriedade mais ampla que incluía a Mont Fleuri, que pertenceu a Pedro Gomes da Silva, que foi vereador e doou, em 1933, aqueles espaços por testamento ao município.

A Quinta Mont Fleuri foi adquirida, em 1937, pela filha do industrial Alfredo da Silva, após diversas hastas públicas sem licitações pelos dois espaços, enquanto a mata foi transformada pela autarquia em Parque de Merendas.

O município readquiriu, em novembro de 2017, a Quinta Mont Fleuri, ao exercer o direito de preferência na transação da propriedade por 2,8 milhões de euros, à família de Jorge de Mello, com a área total de 7.491 metros quadrados, que possui um palacete de finais do século XIX.

A PSML reabilitou e abriu ao público a Villa Sasseti, na encosta para o Castelo dos Mouros, que é contígua ao Parque das Merendas, que confina com a Mont Fleuri, permitindo "assegurar uma gestão tão integrada quanto possível dos espaços de fruição coletiva e também turística a todos os munícipes" e aos visitantes, lê-se na proposta da autarquia.

O presidente da autarquia anunciou recentemente a reabilitação da Casa Francisco Costa para, juntamente com a propriedade Mont Fleuri, dedicar esses espaços à cultura, à literatura e às artes.

Os deputados municipais autorizaram a autarquia a aceitar a doação, pela PSML, do projeto de requalificação do Parque da Liberdade, situado entre a Rua das Murtas e a Volta do Duche, e o anexo Parque dos Castanheiros, perto do Palácio Valenças, que deverá ser executado até 2021.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)