Parques de Sintra e Câmara de Lisboa vencem prémio de Restauro do SOS Azulejo

A Parques de Sintra e a Câmara Municipal de Lisboa são os vencedores do Prémio SOS Azulejo 2017, na categoria "Intervenção de Conservação e Restauro", a ser entregue hoje, numa cerimónia a decorrer no Palácio da Fronteira, em Lisboa.

Segundo uma nota divulgada no 'site' do projeto SOS Azulejo, uma iniciativa da responsabilidade do Museu da Polícia Judiciária, a Parques de Sintra -- Monte da Lua foi reconhecida pelas obras de restauro de azulejos do pátio do Leão e pátio de Diana, no Palácio Nacional de Sintra.

Já a Unidade de Coordenação Territorial, Unidade de Intervenção Territorial Centro Histórico, da Câmara Municipal de Lisboa, vencedora 'ex-aequo' na mesma categoria, foi distinguida pela intervenção de conservação e restauro dos painéis em azulejos do Jardim Júlio de Castilho.

O Prémio "História de Arte" será entregue à investigadora Rosário Salema de Carvalho e ao autor de azulejo Libório Silva, pelo livro "Azulejos -- Maravilhas de Portugal / Wonders of Portugal".

O Prémio "Tese de Doutoramento na área de 'Estudo de Materiais'" foi atribuído a Susana Xavier Coentro, com o estudo "An Iberian Heritage: Hispano-Moresque Architectural Tiles in Portuguese and Spanish Collection".

Segundo a organização, o prémio extra concurso Personalidade vai ser entregue a João Castel-Branco Pereira, "pela notável obra que consagrou ao estudo e divulgação da azulejaria histórica e artística portuguesa".

No que respeita a menções honrosas, Susana de Vilas-Boas Miranda Lainho foi a distinguida na área da "Conservação e Restauro", pela obra de restauro dos azulejos da Capela de São Geraldo, na Sé de Braga.

A Câmara Municipal de Lisboa -- Unidade de Coordenação Territorial, Unidade de Intervenção Territorial Centro Histórico, e o Atelier Samthiago Conservação e Restauro foram os vencedores na categoria "Boas Práticas", pela reabilitação dos painéis em azulejo de Fred Kradolfer nos miradouros de Lisboa.

Rosário Salema de Carvalho e Libório Silva receberam também uma menção honrosa em "Turismo Cultural" pelo livro "Azulejos à Mesa / Azulejos in Restaurants", enquanto a Câmara Municipal de Vila Fraca de Xira foi distinguida na área de "Divulgação", pela divulgação do património azulejar do Mercado Municipal local.

A categoria "Contributos para inventário" mereceu duas menções honrosas 'ex-aequo': uma atribuída a Tiago Passão Salgueiro, Ana Campanilho Barradas, Paulo Pinto e Fernando Duarte, pelo inventário da azulejaria Caliponense -- Projeto de Identificação do Património Azulejar de Vila Viçosa, e outra atribuída à 'designer' Alba Plaza e à produtora cultural Marisa Ferreira, pelo arquivo digital "Os azulejos do Porto".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?