Parques de Sintra assume gestão da Matinha de Queluz com acesso gratuito

A Matinha de Queluz vai passar a ser gerida pela sociedade Parques de Sintra-Monte da Lua (PSML), que reabilitará o espaço verde, mantendo o acesso gratuito à população, no âmbito de um protocolo com o município, informou a autarquia.

Segundo um protocolo assinado na terça-feira, entre o Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas, o município de Sintra e a PSML, a requalificação da Matinha de Queluz visa "assegurar a sua salvaguarda e manutenção", através de intervenções que visem a segurança e salubridade do espaço e o estabelecimento de um plano de gestão.

A Matinha "é uma antiga tapada de caça do Palácio Nacional de Queluz, cuja plantação remonta à década de 1750, e que se encontrava originalmente ligada aos jardins do palácio por uma ponte ou passadiço sobre o rio Jamor", suprimido com a construção do Itinerário Complementar (IC) 19, refere-se no protocolo, a que a Lusa teve acesso.

No documento, além da constituição de uma comissão de acompanhamento que dará parecer ao plano a elaborar para o espaço, a PSML compromete-se a assegurar a "manutenção, funcionamento e conservação" da Matinha, com "acesso gratuito da população".

A sociedade de capitais públicos, que gere os monumentos e jardins históricos de Sintra, também investirá na "instalação e manutenção de um sistema de vigilância e controlo de acesso, prevenindo a intrusão, o vandalismo e a circulação em locais não autorizados", após a delimitação do espaço.

Na assinatura do protocolo, o presidente da Câmara de Sintra, Basílio Horta (PS), citado numa nota da autarquia, hoje divulgada, salientou que a Matinha de Queluz representa um "bosque com uma enorme riqueza ecológica".

A autarquia compreendeu "o interesse público" de ligar a Matinha ao palácio de Queluz, assim como a necessidade de haver "uma coerência na gestão" no âmbito do projetado Eixo Verde e Azul, colocando apenas como condição que o espaço "deve ser fruído pelo povo, sem nenhuma limitação", acrescentou o autarca.

"Este protocolo de cedência vem devolver a integridade ao palácio de Queluz e ao bosque da Matinha, como um todo", afirmou o presidente da PSML, Manuel Baptista, citado na mesma nota.

Na ocasião, a autarquia assinou também a o auto de consignação para o início dos trabalhos da primeira fase do Eixo Verde e Azul, no troço de Sintra, Rio Jamor e afluentes, num investimento de cerca de 1,683 milhões de euros.

A empreitada, com um prazo de execução de 12 meses e três anos de manutenção dos espaços verdes, visa requalificar o sistema Jamor-Carenque e a área circundante do palácio de Queluz, incluindo um percurso pedonal e clicável entre Belas e a fronteira com o concelho de Oeiras que, depois, se prolongará até ao mar.

A obra prevê a construção de um anfiteatro, junto à estação ferroviária de Queluz/Belas, integrado no percurso com cerca de 4,5 quilómetros, que marca o arranque do projeto que envolve a PSML e os municípios de Sintra, Oeiras e Amadora.

Para Basílio Horta, o Eixo Verde e Azul "concretiza a estratégia integrada de requalificação do rio Jamor e das suas margens, da nascente à foz, aumentando a oferta de espaços verdes, e assim contribuir para a melhoria da qualidade de vida e dos espaços das cidades".

Na assinatura do contrato, o secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, considerou que o Eixo Verde e Azul "integra um conjunto de ações que irá promover a melhoria da qualidade das massas de água do Jamor e seus afluentes e assegurar o controlo dos caudais, tendo em vista a segurança de pessoas e bens nas áreas atualmente sujeitas a risco de inundação".

O governante salientou que o exemplo de colaboração entre Amadora, Oeiras e Sintra, bem como noutras áreas com Cascais, representa "uma visão intermunicipal" fundamental para o que se pretende nos "espaços verdes e para a floresta das áreas metropolitanas".

A transferência de gestão da Matinha, o início das obras do Eixo Verde e Azul e a conclusão das obras de requalificação da Avenida Chaby Pinheiro e zona envolvente, em Mem Martins, num investimento de 900 mil euros, foram inseridas na celebração dos 44 anos do 25 de Abril no município de Sintra.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Tudo o que a troika não fez por nós

A crítica ao "programa de ajustamento" acordado com a troika em 2011 e implementado com convicção pelo governo português até 2014 já há muito deixou de ser monopólio das mentes mais heterodoxas. Em diferentes ocasiões, as próprias instituições em causa - FMI, Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia - assumiram de forma mais ou menos explícita alguns dos erros cometidos e as consequências que deles resultaram para a economia e a sociedade portuguesas. O relatório agora publicado pela Organização Internacional do Trabalho ("Trabalho Digno em Portugal 2008-2018: da Crise à Recuperação") veio questionar os mitos que ainda restam sobre a bondade do que se fez neste país num dos períodos mais negros da sua história democrática.

Premium

João Gobern

Simone e outros ciclones

O mais fácil é fazer coincidir com o avanço da idade o crescimento da necessidade - também um enorme prazer, em caso de dúvida - de conversar e, mais especificamente, do desejo de ouvir quem merece. De outra forma, tornar-se-ia estranho e incoerente estar às portas de uma década consecutiva em programas de rádio (dois, sempre com parceiros que acrescentam) que se interessam por escutar histórias e fazer eco de ideias e que fazem "gala" de dar espaço e tempo a quem se desafia para vir falar. Não valorizo demasiado a idade, porque mantenho intacta a certeza de que se aprende muito com os mais novos, e não apenas com aqueles que cronologicamente nos antecederam. Há, no entanto, uma diferença substancial, quando se escuta - e tenta estimular-se aqueles que, por vias distintas, passaram pelo "olho do furacão". Viveram mais (com o devido respeito, "vivenciaram" fica para os que têm pressa de estar na moda...), experimentaram mais, enfrentaram batalhas e circunstâncias que, de alguma forma, nos podem ser úteis muito além da teoria. Acredito piamente que há pessoas, sem distinção de sexo, raça, religião ou aptidões socioprofissionais, que nos valem como memória viva, num momento em que esta parece cada vez mais ausente do nosso quotidiano, demasiado temperado pelo imediato, pelo efémero, pelo trivial.

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.