Parlamento rejeita pedido das associações ALEP e AHRESP para audiência sobre alojamento local

A comissão parlamentar com a área da Habitação rejeitou hoje o pedido de audiência apresentado pela Associação do Alojamento Local em Portugal (ALEP) e pela Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) sobre alterações ao alojamento local.

Com o argumento de que o processo legislativo para alterar o regime jurídico do alojamento local se encontra "em conclusão" e lembrando que estas associações já foram ouvidas, a comissão parlamentar de Ambiente, Ordenamento do Território, Descentralização, Poder Local e Habitação decidiu que "não faz sentido" voltar a realizar audições, acrescentando que, ainda assim, a ALEP e a AHRESP podem enviar, por escrito, os contributos que pretendam fazer chegar à Assembleia da República.

Na passada quarta-feira, a AHRESP e a ALEP manifestaram-se "fortemente preocupadas" com as possíveis alterações legislativas ao alojamento local, alertando para impactos "muito negativos e injustificados".

"Todos queremos que este processo seja finalizado, o setor não pode continuar com esta instabilidade, mas seria um enorme fracasso se, depois de todo este processo e por precipitação, a legislação não fosse equilibrada e voltasse a colocar em risco milhares de famílias e microempresas ou, ainda, que não trouxesse a tão desejada estabilidade", declararam, em comunicado de imprensa conjunto, a secretária geral da AHRESP, Ana Jacinto, e o presidente da ALEP, Eduardo Miranda.

Em causa está o processo legislativo para alterar o regime jurídico do alojamento local, em que o prazo para apresentação de propostas finais terminava na passada sexta-feira, mas o grupo parlamentar do PSD requereu o adiamento potestativo, fixando-se como nova data limite a passada quarta-feira.

Neste sentido, as duas associações que representam o setor do alojamento turístico em Portugal "não concebem que, depois de seis meses de audições, as propostas finais sejam feitas novamente sob pressão de tempo e possam trazer medidas desadequadas".

A votação dos diplomas para alterar o regime jurídico desta atividade económica estava prevista para hoje, mas o grupo de trabalho da Temática do Alojamento Local decidiu adiar, estabelecendo que as iniciativas legislativas serão votadas diretamente em comissão parlamentar na próxima terça-feira.

A proposta de adiamento da votação foi motivada pelo prolongar do plenário de hoje, que terminou cerca das 19:00, já que o grupo de trabalho da Temática do Alojamento Local tinha agendada a votação indiciária para as 17:30.

O adiamento, que inclui a eliminação da votação indiciária em grupo de trabalho para que as propostas sejam votadas diretamente na comissão parlamentar de Ambiente, foi aprovada por maioria, com a abstenção do PCP.

Neste sentido, a votação final do alojamento local prevê-se que seja feita no dia 18 de julho, antes das férias parlamentares.

No âmbito do processo legislativo sobre o regime jurídico do alojamento local, o PS, o PSD e o CDS-PP avançaram com alterações aos projetos de lei em apreciação no grupo de trabalho, nomeadamente às iniciativas legislativas do PS, do CDS-PP, do PCP, do BE e do PAN.

A proposta de alteração apresentada pelo PS sugere que "o mesmo proprietário apenas pode explorar um máximo de sete estabelecimentos de alojamento local", que as Câmaras Municipais podem estabelecer "áreas de contenção" à abertura de novos estabelecimentos e que os condóminos podem opor-se à existência desta atividade económica, em caso de queixas reiteradas dos vizinhos, mas são os municípios quem decidem quanto ao cancelamento do registo da atividade.

Já a proposta do PSD pretende que as Câmaras Municipais possam proceder à regulamentação da atividade do alojamento local apenas em áreas em que existam "20% ou mais de estabelecimentos", enquanto o CDS-PP quer que sejam definidos "critérios claros e objetivos" para se poder limitar o alojamento local.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Bernardo Pires de Lima

Os europeus ao espelho

O novo equilíbrio no Congresso despertou em Trump reações acossadas, com a imprensa e a investigação ao conluio com o Kremlin como alvos prioritários. Na Europa, houve quem validasse a mesma prática. Do lado democrata, o oxigénio eleitoral obriga agora o partido a encontrar soluções à altura do desafio em 2020, evitando a demagogia da sua ala esquerda. Mais uma vez, na Europa, há quem esteja a seguir a receita com atenção.

Premium

Rogério Casanova

O fantasma na linha de produção

Tal como o desejo erótico, o medo é uma daquelas emoções universais que se fragmenta em inúmeras idiossincrasias no ponto de chegada. Além de ser contextual, depende também muito da maneira como um elemento exterior interage com o nosso repositório pessoal de fobias e atavismos. Isto, pelo menos, em teoria. Na prática (a prática, para este efeito, é definida pelo somatório de explorações ficcionais do "medo" no pequeno e no grande ecrã), a coisa mais assustadora do mundo é aparentemente uma figura feminina magra, de cabelos compridos e desgrenhados, a cambalear aos solavancos na direcção da câmara. Pode parecer redutor, mas as provas acumuladas não enganam: desde que foi popularizada pelo filme Ring em 1998, esta aparição específica marca o ponto em filmes e séries ocidentais com tamanha regularidade que já se tornou uma presença familiar, tão reconfortante como um peluche de infância. É possível que seja a exportação japonesa mais bem-sucedida desde o Toyota Corolla e o circuito integrado.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Adeus, futuro. O fim da intimidade

Pelo facto de dormir no quarto da minha irmã (quase cinco anos mais velha do que eu), tiveram de explicar-me muito cedo por que diabo não a levavam ao hospital (nem sequer ao médico) quando ela gania de tempos a tempos com dores de barriga. Efectivamente, devia ser muito miúda quando a minha mãe me ensinou, entre outras coisas, aquela palavra comprida e feia - "menstruação" - que separava uma simples miúda de uma "mulherzinha" (e nada podia ser mais assustador). Mas tão depressa ma fez ouvir com todas as sílabas como me ordenou que a calasse, porque dizia respeito a um assunto íntimo que não era suposto entrar em conversas, muito menos se fossem com rapazes. (E até me lembro de ter levado uma sapatada na semana seguinte por estar a dizer ao meu irmão para que servia uma embalagem de Modess que ele vira no armário da casa de banho.)