Parlamento aprova resolução para abertura da Base de Monte Real a voos civis

O parlamento aprovou hoje um projeto de resolução do PSD que recomenda ao Governo a abertura da Base Aérea de Monte Real a voos civis, com a abstenção do PS, do PAN e do CDS-PP.

O diploma, entregue em maio do ano passado, recomenda ao Governo que "desenvolva as ações necessárias" para que a base da Força Aérea Portuguesa "possa ser transformada num aeroporto que permita voos civis".

O PSD, o PCP, o PEV e o BE votaram a favor do diploma. O BE anunciou a entrega de uma declaração de voto.

No projeto, o PSD argumenta que a região centro do país é a única sem uma infraestrutura aeroportuária e que "a questão do uso civil da base militar de Monte Real tem sido abordada como um projeto âncora para toda a região".

Os deputados assinalam que a proximidade do Santuário de Fátima, onde se deslocam anualmente quatro milhões de pessoas, tem sido um dos motivos apontados como favorecendo o interesse do projeto.

Para além disso, "a nível ambiental" não se levantam obstáculos, sublinham, considerando que a abertura daquela infraestrutura a voos civis "é útil para a economia" e para o país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.